Os dois membros do PCC (Primeiro Comando da Capital) presos após tentarem atirar e atropelar policiais no Mansour, em , estavam exigindo R$ 12 mil de uma família. O Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado) foi acionado para averiguar um crime de extorsão em andamento, na manhã desta quarta- (24).

Os criminosos exigiam de uma família um valor de R$ 12 mil, em cobrança que perdurava por algum tempo. Essa família já havia sido ameaçada com uma arma de fogo pelos faccionados que tentavam intimidá-los, segundo registro policial. 

A equipe policial tomou conhecimento de que a dupla iria entrar em contato com a vítima para constrangê-la e prestar vantagem econômica indevida, momento em que o Dracco interceptou os criminosos. 

Os dois ocupavam um Furgão, de cor branca, quando foram abordados em uma rua do Jardim Mansour. Eles não obedeceram à ordem da equipe e arrancaram com o carro, jogando o veículo contra os policiais, que revidaram com disparos de arma de fogo em direção aos pneus

Mesmo com o pneu furado, a dupla continuou fugindo pelas ruas da região do Parque Dallas, até que perdeu o controle da direção e colidiu em outro carro estacionado. Câmeras de segurança registraram o momento em que eles causam a colisão, abandonam o Furgão no local e fogem a pé, sendo perseguidos pela viatura do Dracco.

Os homens foram alcançados pelos policiais e presos. Um deles estava com mandado de prisão em aberto com sentença definitiva a 16 anos de reclusão por tráfico de drogas. Ele foi preso em flagrante com 500 quilos de no ano de 2019, em Campo Grande.

Diante disso, os dois responderão pelos crimes de extorsão majorada pelo concurso de agentes, desobediência, tentativa de . Eles foram levados para o Dracco para os procedimentos cabíveis.

(Reprodução)