O sargento da polícia militar Ygor Nunes Nascimento, preso durante uma operação da Polícia Federal, no dia 30 de junho deste ano, em Dourados, a 225 quilômetros de Campo Grande, foi flagrado com celular dentro do presídio militar. Ele é acusado de escoltar traficantes.

O flagrante aconteceu quando o sargento estava no pátio do presídio militar, e por isso, o MPMS (Ministério Público Estadual) pediu para que o militar fosse incluído em um regime mais rígido, sendo levado para a Gameleira I. 

“Considerando as características do PME, com relevância a ausência de local adequado à permanência em regime disciplinar diferenciado, impõe-se também a transferência dele a outro estabelecimento prisional com condições de isolá-lo e com características de segurança condizentes com sua periculosidade, que seja, um dos presídios de regime fechado da Gameleira”, diz o MPMS.

O MPMS ressalva: “E o PME não apresenta condições de segurança adequadas à personalidade do acusado, audacioso o suficiente para obter e manter aparelho de telefonia celular em suas dependências com o intuito de continuar a se comunicar com o meio externo”.

O sargento ainda teria revelado que o celular flagrado com ele já estava em sua posse há um bom tempo e que seria de sua propriedade.

Um PAD (Procedimento Administrativo Disciplinar) foi instaurado para averiguar se em razão dessa conduta o PM reúne condições de permanecer na corporação ou não. O prazo do procedimento de praxe é de 30 dias, mas pode ser prorrogado por mais 30 dias. Enquanto isso, Ygor continua a receber o salário. Ele foi levado para o Presídio Militar Estadual depois de ser preso pelos colegas de farda após a expedição dos mandados de busca e apreensão e prisão feitos pela Polícia Federal. 

Suspeito de escoltar traficantes em MS

O sargento é suspeito de escoltar traficantes no Estado e conhecido entre a organização criminosa como ‘Romanov’, segundo apontou a investigação. O militar estava há dois meses no DOF (Departamento de Operações de Fronteira) e ainda passava pelo estágio probatório, quando foi preso.

Foram apreendidas uma pistola Glock com numeração suprimida, um carregador com 17 munições e outro carregador de fuzil. O terceiro sargento recebeu voz de prisão. Durante o depoimento, o militar resolveu se calar, não dando explicações sobre a arma com numeração raspada.

A operação cumpriu 11 mandados de busca e apreensão e 12 mandados de prisão contra nove brasileiros, um italiano, um romeno e um grego, em Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul.

O terceiro sargento teve a prisão preventiva decretada e, segundo o juiz plantonista, Valter Tadeu Carvalho, a prisão se faz necessária devido à “garantia da ordem pública; periculosidade do indiciado ou acusado”. 

“Entendo que no caso dos autos tais requisitos estão presentes, vez que a prisão em flagrante pelo crime de armas se deu em decorrência de cumprimento de mandado de prisão por suposto envolvimento do flagrado em organização criminosa, tendo ele sido flagrado com a arma e munições relacionadas quando saia de serviço”.