Agentes da Polícia Nacional investigam restos de esqueleto humano encontrados nas dependências de uma fazenda na cidade de Bella Vista Norte, departamento de Amambay, área de influência do EPP (Exército Popular Paraguaio).

O local fica nas proximidades da cidade de Bela Vista, no Mato Grosso do Sul. Na área, que é de influência do EPP, há três anos aconteceu o sequestro do ex-vice-presidente do , Óscar Denis, que segue sem solução até o momento.

Uma liderança indígena foi quem notificou a Polícia Nacional sobre a descoberta dos restos mortais. Agentes do Ministério Público e da Polícia deslocam-se ao local para investigar o caso e também já acionaram familiares do político.

Policiais do Departamento Anti-sequestro e integrantes da FTC (Força-Tarefa Conjunta) e representantes do Ministério Público foram mobilizados para a realização do procedimento.

O comissário Édgar Caballero, um dos primeiros a chegar ao local, disse em entrevista a uma emissora de rádio paraguaia, a Monumental 1080 AM, que a descoberta pode ter ligação com o sequestro de Denis.

Entenda o caso

O político paraguaio foi levado por uma formada por membros do grupo guerrilheiro EPP (Exército do Povo Paraguaio) da fazenda Tranquerita, a cerca de 10 quilômetros da cidade de Yby Yaú, Concepción, nas proximidades de Bela Vista, cidade de Mato Grosso do Sul. Ele estava acompanhado pelo capataz, de etnia indígena, Adélio Mendonza, de 22 anos, quando foi retirado de dentro da sua caminhonete.

Segundo relatos de Adélio, que foi libertado um mês depois, no dia do sequestro eles foram rendidos por seis pessoas que usavam uniformes militares camuflados e estavam com rifles nas mãos. Ainda conforme o capataz, o grupo era formado por três adultos e três adolescentes que já foram identificados, mas nenhum deles ainda foi preso.