Momentos de terror foram vividos pela jovem de 20 anos, mantida em cárcere privado pelo namorado de 25 anos, nessa segunda-feira (30), em Campo Grande, no bairro Vila Almeida. Ela foi resgatada após conseguir pedir ajuda para o irmão que acionou a Polícia Militar.

A jovem contou que tudo começou no sábado (28), dia do aniversário dela. O casal estava em uma tabacaria e por volta das 2 horas da madrugada teve uma discussão e a jovem pediu para que ele a levasse para casa, e neste momento o autor respondeu que a vítima iria para a casa dele.

Em desespero, ela puxou o freio de mão do carro e o homem passou a enforcá-la. A mulher desmaiou e acordou em cima da cama do namorado, já sem roupas. Ele jogou álcool no corpo dela e a amarrou com fita. O autor com um spray de inseticida e um isqueiro começou a fazer do objeto um maçarico, queimando os lábios da vítima.

A mulher, que ficou com queimaduras, foi levada para o banheiro e colocada debaixo do chuveiro. Neste momento, parte dos cabelos começaram a cair no chão. O homem ainda fez ameaças com uma faca de 30 centímetros. 

A vítima passou a reclamar de dores e, no domingo (29), o autor saiu por volta das 17 horas para comprar remédios para ela, a deixando trancada na casa. O homem ainda confiscou o celular da vítima.

Saiu para trabalhar e esqueceu o celular

Já na segunda-feira (30), ele a trancou e saiu para ir até a sua empresa, mas esqueceu o celular da jovem no local e, neste momento, a vítima aproveitou para pedir ajuda por telefone ao seu irmão, que acionou a polícia. Quando os militares chegaram, o autor tentou mentir dizendo que estava no local com outra mulher.

Mas, o irmão da vítima a reconheceu pela janela. A mulher estava com vários machucados e enrolada em um lençol. A polícia encontrou em saco de lixo preto, a fita usada para amarrar a mulher e os instrumentos usados na tortura.

A vítima foi resgatada e na unidade de saúde contou que ainda foi estuprada pelo namorado.

O homem foi preso e autuado por cárcere privado, sequestro, tortura e estupro e foi levado para a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher).