Um dos envolvidos no triplo homicídio em Anaurilândia, a 370 quilômetros de , neste acabou preso e a usada para matar Agnaldo de Oliveira Martins apreendida. Morreram também João Valdecir Gomes Dias e Paulo José de Souza.

Após os assassinatos, a fazia buscas por José Aparecido Gomes Dias, quando o advogado foi até a delegacia afirmando que seu cliente se apresentaria. A espingarda usada no crime estava escondida embaixo de um colchão na casa de José. 

José foi autuado por homicídio e porte ilegal de arma. Os seis envolvidos são da mesma família, entre autores e vítimas. Três pessoas foram mortas, duas presas pela Polícia Civil em flagrante.

A discussão teria começado após uma solenidade de inauguração de uma quadra poliesportiva no Assentamento Barreiro, em Anaurilândia. Em seguida, todos foram para um bar, a cerca de 200 metros do local.

Um homem, identificado como Agnaldo de Oliveira Martins, teria chegado ao bar acompanhado de sua esposa, portando uma espingarda. 

Ele foi confrontado pelos familiares o motivo de estar armado, já que estava bêbado. Em meio à discussão, o tio da esposa tomou a arma de Agnaldo e foi até sua motocicleta, na tentativa de ir embora.

Contudo, ele foi seguido pela sobrinha, que teria entrado em luta corporal com ele para reaver a arma do marido. Nesse instante, um tiro acidental foi disparado para o alto. Após ouvirem o tiro, outras pessoas se envolveram na briga.

O tio, identificado como João Valdecir Gomes Dias, de 57 anos, foi morto a e tinha sinais de perfuração. A Polícia Civil está apurando se ele também foi esfaqueado.

Em seguida, outro parente identificado como Paulo José de Souza, de 36 anos, casado com uma prima da mulher que tentou reaver a arma, também foi atingido por Agnaldo. Além das marcas de tiro, Paulo também tinha perfurações e a cabeça esmagada a coronhadas. Ele chegou a ser socorrido para o pronto-socorro do Sagrado Coração de Jesus, mas morreu no caminho.