O dinheiro, cerca de R$ 1,3 milhão, furtados por dois bancários de uma agência bancária, em , foi ‘pulverizado’ em várias contas, segundo o delegado Pedro Henrique do (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros). Dois mandados de prisão temporária foram cumpridos na deflagração da Operação Bypass.

Os dois bancários trabalhavam em agências diferentes, mas da mesma instituição bancária. O crime foi cometido em agosto deste ano. Eles usaram um dispositivo fraudulento para cometer o crime. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão e mandados de prisão temporária. Segundo a polícia, os autores pertencem a uma organização criminosa. 

Foram cumpridos dois mandados de prisão temporária e mandados de busca e . Os policiais foram até o bairro Tiradentes e Buriti. O furto foi em agosto deste ano. 

As investigações continuam para saber se há outros participantes da organização criminosa. 

Em outubro deste ano, o gerente de um banco foi preso após um falso sequestro de furto a uma agência bancária. O sequestro forjado envolveu membros do PCC (Primeiro Comando da Capital).

Sequestro forjado

Em depoimento no Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros), após a sua prisão no dia 11 de outubro, no bairro Nova Lima, em Campo Grande, o terceiro envolvido no sequestro de um casal de bancários, disse que o crime teria sido planejado em São Paulo por membros da facção que eram especialistas em invadir computadores.

JS do PCC (Primeiro Comando da Capital) de início negou sua participação no crime, mas depois confessou que ele seria responsável por manter contato com os integrantes faccionados de São Paulo, e que conheceu um dos membros no Guarujá, quando foi até o estado paulista para comprar roupas. 

O membro da organização ainda revelou que o funcionário do banco conhecia um dos integrantes de longa data – El Tanque -, e que mantinham contato por e-mails funcionais do bancário, que teria sido cooptado pela organização criminosa para a participação no crime. 

Ainda segundo JS do PCC, o bancário ganharia com as ações criminosas e já, inclusive, teria mandado prints de telas de computadores da agência para o integrante da organização.

De acordo com o depoimento, o bancário estava relutante em passar o cartão dele de acesso às contas bancárias, mas já havia revelado aos membros da organização a sua matrícula e tentado instalar um programa em seu computador para os autores terem acesso ao sistema do banco.

JS do ainda revelou que também enviou emails para o bancário, mas era contra forjar o sequestro. 

Saiba Mais