Duas semanas antes da execução, Lucas Henrique Rodrigues Dias, de 27 anos, em Campo Grande, no Residencial Bela Laguna, estava tendo a casa monitorada pelos atiradores, segundo vizinhos que viram um , de cor preta, no residencial. Lucas foi morto na tarde desta segunda-feira (11).

Uma vizinha que não quis se identificar contou ao Jornal Midiamax, que ouviu os , mas achou que fossem soltando bombinhas e quando saiu no portão flagrou um dos atiradores fazendo os disparos contra a cabeça de Lucas.

“Estou tremendo até agora”, disse a moradora que ainda revelou que Lucas e a esposa moravam no residencial há três meses. Ainda segundo informações de moradores, o guarda noturno da rua alertou sobre um carro estranho circulando na região.

Foram feitos mais de 40 disparos contra Lucas, principalmente na cabeça. Ele morreu antes da chegada do socorro. Ele já havia sido preso em abril deste ano depois de ser flagrado com um carro modificado para parecer uma viatura policial. 

Marcas de tiros da (Alicce Rodrigues, Jornal Midiamax)

Viatura falsa da polícia

A prisão de Lucas aconteceu no dia 6 de abril deste ano. Os policiais já estavam monitorando Lucas depois de receberem informações do setor de inteligência da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) de que rotineiramente um veículo Pajero estava realizando a escolta armada de um interno de regime aberto, Vitor Manoel Souza do Amaral.

Os policiais, então, fizeram uma campana e flagraram Lucas e outro comparsa, Gabriel Carvalho Ataíde, no carro sendo os dois abordados. Com eles, os policiais encontraram um revólver calibre .38 e seis munições.

Para os policiais na época, Lucas disse que estava fazendo a escolta de um homem conhecido por ‘Neguinho’ já que eles eram oposição à facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Na casa de Lucas, ainda foram encontrados apetrechos para a comercialização de drogas.

Vídeo e execução

Pelas imagens de câmeras de segurança é possível ver que Lucas tenta fugir caindo no chão, e logo atrás chega um dos autores atirando e mais dois em seguida fazendo vários disparos, principalmente contra a cabeça de Lucas que morreu no local. 

De acordo com informações, foram efetuados mais de 40 tiros. Muitas cápsulas de pistola 9mm ficaram caídas ao solo. Conforme apurado, ele chegava em casa, na Rua Poente esquina com a Rua Marco Aurélio Bastos, quando foi abordado pelos autores, encapuzados, que desembarcaram de um Gol, de cor preta. Alguns populares disseram que três homens efetuaram os tiros, enquanto um quarto autor dirigia o veículo.

No exato momento em que ele iria entrar em casa, os atiradores chegaram. Segundo informações, a esposa dele, que estava com uma criança de colo, filho de Lucas, saía pelo portão no exato momento em que ele chegava. Lucas então empurrou a esposa com a criança para dentro da residência e correu pela Rua Marco Aurélio Bastos, quando foi perseguido e assassinado pelo grupo de atiradores. Lucas utilizava tornozeleira eletrônica e tinha passagens por tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo.