ÁUDIO: Pecuarista morta asfixiada em condomínio de luxo queria demitir funcionária envolvida em crime

Em áudio gravado semanas antes do crime, ela falava que precisava achar outra empregada
| 02/08/2022
- 12:49
pecuarista
(Reprodução)

A pecuarista Andreia Aquino, de 38 anos, morta asfixiada no dia 28 de julho, em um condomínio de luxo, em Campo Grande, por um plano arquitetado pelas funcionárias que trabalhavam na residência, já desconfiava de Lucimara Neves - uma das funcionárias e amante da vítima. O cunhado de Lucimara foi preso, nessa segunda (1º), em Dourados. As duas envolvidas no crime já foram encaminhadas para o presídio feminino.

Áudios obtidos pelo Jornal Midiamax demonstraram que Andreia desconfiava de Lucimara e queria demiti-la. “Ah, não! Ninguém vai palpitar, principalmente, empregada”, dizia Andreia na mensagem que havia enviado a um familiar. Ela ainda falava que queria trocar de funcionária, mas antes precisava achar outra empregada.

Andreia estava à procura de uma funcionária de confiança para lavar, passar, fazer a comida. Na mensagem, ela ainda falava que Lucimara só estava na casa porque devia serviço para a pecuarista, já que quase não trabalhava mais. 

Em uma mensagem enviada pela prima de Andreia, há o relato de que a pecuarista afirmava que preferia morrer a assinar qualquer papel, já que tudo que ela tinha era do filho. A mensagem se referia a documentos que a irmã de Andreia queria que ela assinasse para quitar uma dívida de venda de gado, no valor de R$ 8 milhões. 

Ainda segundo informações, quando teriam ido até à casa de Andreia para entregar papéis a ela, a pecuarista não teria recebido, mas teria flagrado quando Lucimara deliberadamente recebeu os documentos.

Confira o áudio:

Prisão e choro de cunhado envolvido em assassinato

Enquanto Andreia era asfixiada pelo cunhado de Lucimara no dia do crime, ela em uma tentativa de se defender mordeu a mão do acusado, deixando um ferimento. Quando preso, nessa segunda (1º), ele confessou o crime. O homem afirmou que, junto das funcionárias da pecuarista, tentava obter o valor de R$ 50 mil. O trio esperava que Andreia fizesse uma transferência via pix durante o roubo.

O autor também falou sobre os objetos roubados da casa, no dia do crime. Foram recuperados uma caixa de som e um notebook pertencentes à vítima. Ele planejava fugir para o Paraguai.

O rapaz foi detido no Centro de Recuperação da sitioca Ouro Fino. Assim que os policiais do SIG (Setor de Investigações Gerais) chegaram, ele teria começado a chorar. O rapaz seguiu ainda chorando até a delegacia e não falou sobre o crime, nem mesmo confessou.

Equipes da Derf se deslocaram de Campo Grande para Dourados para que o suspeito seja interrogado. Ele responde pelo latrocínio de Andreia e foi acusado pela cunhada de matar a vítima asfixiada. As duas autoras, e filha, relataram que viram o acusado colocar um pano na boca da pecuarista e ainda a esganar.

Suspeitos queriam dar susto na vítima

Durante as investigações do assassinato pela Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos), foi descoberto que o homem envolvido no crime havia sido procurado um dia antes pela cunhada, uma funcionária de Andreia. O encontro ocorreu por volta das 19 horas, na casa dele.

Segundo as investigações e os depoimentos, a conversa entre o homem e a funcionária de Andreia teria durado cerca de 30 minutos, no portão da residência. Logo após a conversa, ao entrar em casa, o acusado teria relatado à que iria fazer uma ‘fita’. Ela ainda teria falado: “amanhã vou arrumar bastante dinheiro”.

A irmã da acusada presa contou que tentou desencorajar o companheiro de fazer o roubo, mas ele não recuou. Ela ainda afirmou aos policiais que a acusada pelo assassinato ainda teria falado que daria ao cunhado R$ 10 mil e que era para ela ficar com a metade. Nesse momento, a mulher disse que não participaria de nada.

No dia do crime, o homem saiu por volta das 9 horas dizendo: “vou ir lá”. Depois de 3 horas, por volta do meio-dia, a mulher recebeu um telefonema do companheiro dizendo: “a casa caiu. Eu acho que a Andreia morreu”.

O homem chegou até a casa da companheira carregando uma mala, que ela disse não saber o que havia dentro. Em seguida, o acusado no crime falou que formataria o celular e compraria outro chip. Já por volta das 15 horas do mesmo dia, a mulher recebeu mensagens do envolvido no crime dizendo que estava com medo. A mensagem enviada teria vindo de um celular com DDD de Mato Grosso.

Veja também

Com os três adolescentes foram recuperados os dois veículos subtraídos, vários objetos pessoais da vítima

Últimas notícias