Médico que matou mulher em acidente é condenado a doar R$ 60 mil para instituição

Ele teve a pena de 5 anos convertida em serviços comunitários
| 03/05/2022
- 14:17
Médico que matou mulher em acidente é condenado a doar R$ 60 mil para instituição
Carro do médico ficou totalmente destruído (Arquivo, PRF)

Foi condenado a 5 anos e 8 meses o médico Edson de Arruda Alves, de 73 anos, pelo acidente que vitimou Marcia Martins Honório, aos 36 anos. A vítima morreu em 2 de setembro de 2018, após ter o carro atingido pelo veículo do autor na Rodovia BR-163, em Campo Grande.

Conforme a sentença do juiz Paulo Afonso de Oliveira, da 5ª Vara Criminal, a denúncia do MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) apontou que Edson dirigia a Mercedes-Benz C 250 Coupe “de forma imprudente e sob a influência de álcool”. Assim, acabou causando o homicídio de Marcia Honório.

Além da morte da vítima, outra vítima que estava no mesmo veículo — o motorista — acabou sofrendo lesões graves. A defesa chegou a pedir extinção da punibilidade pela lesão corporal, o que não foi acatado pelo magistrado. Testemunha chegou a relatar em depoimento que o médico confessou naquele dia que tinha tomado cerveja antes do acidente.

No entanto, Edson negava ter sido o causador do sinistro. Ele alegou que fazia ultrapassagem de dois caminhões, quando foi surpreendido pelo carro de Marcia, que estava entre os veículos e acabou tentando também ultrapassagem, entrando na frente da Mercedes-Benz. Isso não foi comprovado.

O juiz pontuou que foi constatado que o acidente aconteceu por imprudência do então médico do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito). No decorrer do processo, houve acordo entre o réu e o homem que sofreu as lesões, sendo pago valor pelos danos materiais. Por isso, não foi definido novo valor a ser acertado.

Médico provocou o acidente
Carro em que as vítimas estavam (Reprodução)

Por fim, o médico foi condenado a 5 anos e 8 meses em regime semiaberto, além da suspensão ou proibição de obter permissão ou habilitação para dirigir veículo automotor, pelo mesmo período. A privativa de liberdade foi substituída pela prestação de serviço comunitário e pagamento de 50 salários mínimos (R$ 60.600) em favor de entidade pública com destinação social a ser definida pelo Juízo da Execução Penal.

Médico chegou a ser preso

Em audiência de custódia após o acidente foi decretada a prisão preventiva do médico, que tinha sido detido em flagrante. No entanto, no dia seguinte, a defesa entrou com pedido de revogação, que foi acatado em 5 de setembro de 2018, quando Edson foi posto em liberdade.

Relembre o acidente

Marcia morreu na colisão que envolveu três veículos, no Anel Viário de Campo Grande, na região da Agrárias. O médico teria saído de uma festa e estava embriagado, quando colidiu na traseira do Fiat Punto conduzido por um homem e tendo Marcia como passageira.

A vítima morreu no local e o motorista foi encaminhado para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Coronel Antonino. O veículo Mercedes saiu da pista e ainda bateu em uma carreta que passava na rodovia e ficou destruído. A PRF (Polícia Rodoviária Federal) foi acionada e, ao aplicar o teste de alcoolemia, foi constatado o resultado de 0,71 mg/l.

Veja também

Mãe foi intimada para ir até à delegacia após as denúncias do estupro

Últimas notícias