Polícia

‘La Catedral’: imagens mostram momento que presos fogem de penitenciária em MS

Cinco agentes penais penitenciários foram presos por corrupção

Thatiana Melo Publicado em 06/01/2022, às 09h59

None
(Reprodução)

Imagens mostram quando dois presos fogem em fevereiro de 2021 do Presídio Ricardo Brandão, em Ponta Porã a 346 quilômetros de Campo Grande. A fuga está sendo investigada e nesta quinta-feira (6), a operação ‘La Catedral’ foi deflagrada pelo Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado) que prendeu cinco agentes penais penitenciários.

Pelas imagens é possível ver quando um dos presos chega próximo a agente que está sentada, no que parece ser uma recepção. O detento fica um tempo conversando com a agente quando ele a segura pelo pescoço e neste momento chega outro preso. 

A porta é aberta por um dos presos e os dois fogem. Em seguida, a agente sai correndo. Em outra sequência das imagens é possível ver quando uma camionete sai de dentro do presídio. Não se sabe se os detentos estariam dentro do carro.

Agentes penais presos

Foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão em Ponta Porã a 346 quilômetros de Campo Grande. Ao todo, foram presos cinco agentes penais. As investigações descobriram a existência de uma organização criminosa, que era composta por policiais penais envolvidos com concussão, corrupção passiva, favorecimento para entrada de celulares e outros objetos.

Durante as investigações foram apreendidas bebidas alcoólicas, celulares, drogas e dinheiro dentro das celas. Também estão sendo apuradas às circunstâncias de fuga de dois internos, que apontam envolvimento de funcionários públicos após o recebimento de propina. Os presos foram encaminhados para a capital onde temporariamente ficarão custodiados no Centro de Triagem.

Em 2021, chegou ao conhecimento da Direção-Geral e da Corregedoria a ocorrência de apreensão de grande quantidade de bebidas em uma das celas da Unidade Penal Ricardo Brandão, e dois dias depois a fuga de presos supostamente envolvidos.

A Corregedoria iniciou então uma Correição Extraordinária que resultou na coleta de informações quanto a supostas irregularidades que estariam ocorrendo dentro da unidade penal. A agência penitenciária já havia adotado medidas administrativas cabíveis, com afastamento dos envolvidos do trabalho na unidade penal, desde a identificação das condutas irregulares. 

Jornal Midiamax