Polícia

Corpo encontrado em lagoa é de homem autista

Duas pessoas foram vistas no local

Fábio Oruê Publicado em 01/01/2022, às 22h07

None
Foto: Reprodução/JP News/Alfredo Neto

Corpo encontrado em lagoa em bairro de Três Lagoas, na tarde deste sábado (1º), é de Jhone de Barros Linhares, de 28 anos, que era autista. Um tio de Jhone procurou a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) e identificou o corpo como sendo do sobrinho.

Segundo o JP News, a Polícia Civil tenta localizar o pai de Jhone, que não foi localizado no imóvel, não atende o aparelho celular e não deixava o filho sozinho. Ele foi visto junto com o jovem no local horas antes do corpo de Jhone ser encontrado.

Pessoas que conhecia a família relataram que Jhone era autista e adorava piscinas. No local haviam dois rastros no barranco e a policia acredita que Jhone possa ter achado que o local era para banho e teria pulado o alambrado entrando no piscinão que armazena águas da chuva, que são levadas pelas galerias de águas pluviais.

Um dos rastro era de uma pessoa que teria descido andando, já o outro era de alguém que tenha possivelmente escorregado e caído após se desequilibrar, devido o grau acentuado do barranco.

A PM acionou o Corpo de Bombeiros que retirou o corpo de Jhone - que não tinha sinais de violência - e liberou para a perícia da Polícia Civil. A moto de Luiz Jorgem pai de Jhone, está no local com a chave no contato, com os sapatos ao lado e os dois capacetes juntos ao veículo.

A possibilidade que houvesse duas vítimas foi levantada e o Corpo de Bombeiros realizou por duas horas buscas na tentativa de localizar a possível segunda vítima.

Porém, o Corpo de Bombeiros precisou encerrar as buscas devido a falta de visibilidade e vão retornar as buscas no período da manhã de domingo (2), caso Luiz Jorge não for localizado com vida.

O local é fechado por alambrados e na parte frontal da avenida Padre João Thomes, existe uma placa que alerta a população da proibição da entrada, banho e pesca no local.

O caso foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) como morte a esclarecer por afogamento e achado de coisas (moto, capacetes, dois pares de calçados, sacolas com legumes e produtos de limpeza).

Jornal Midiamax