Polícia

‘Samura’, líder do Comando Vermelho, que estava foragido desde 2019 é recapturado

O narcotraficante paraguaio Jorge Teofilo Samudio González, o “Samura”, 49 anos, principal líder do CV (Comando Vermelho), foi capturado no final da manhã desta segunda-feira (29) por agentes da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas), com o apoio da Polícia Federal do Brasil.  Ele estava foragido desde o dia 11 de setembro de 2019, quando foi resgatado […]

Marcos Morandi Publicado em 29/03/2021, às 13h42 - Atualizado às 18h10

Narcotraficante estava foragido desde 2019. (Foto: Capitán Bado)
Narcotraficante estava foragido desde 2019. (Foto: Capitán Bado) - Narcotraficante estava foragido desde 2019. (Foto: Capitán Bado)

O narcotraficante paraguaio Jorge Teofilo Samudio González, o “Samura”, 49 anos, principal líder do CV (Comando Vermelho), foi capturado no final da manhã desta segunda-feira (29) por agentes da Senad (Secretaria Nacional Antidrogas), com o apoio da Polícia Federal do Brasil.  Ele estava foragido desde o dia 11 de setembro de 2019, quando foi resgatado por homens armados em Assunção.

Na época, em Assunção, por meio de um ataque cinematográfico,  “Samura” foi resgatado por criminosos fortemente armados que armaram uma emboscada quando ele foi transferido do Palácio da Justiça para a Penitenciária de Emboscada, após seu depoimento. Na ocasião, um policial foi assassinado.

O bandido paraguaio, segundo a Senad,  tinha grande poder aquisitivo e uma liderança com mão de ferro que incluía execuções no campo do narcotráfico, razão pela qual era capaz de sustentar uma grande infraestrutura, logística e um grande número de criminosos que estavam em seu cargo, que constituem sua organização para a realização de suas diversas atividades ilegais. Os membros de seu comando tinham armas pesadas e de grosso calibre para sua proteção.

'Samura', líder do Comando Vermelho, que estava foragido desde 2019 é recapturado
Samura, ao ser preso nesta segunda. (Foto: Senad)

O suposto chefe do narcotráfico era o responsável pelo tráfico de cocaína com lucros que giravam em torno de 20 milhões de dólares por mês, levando-se em consideração a quantidade de drogas que estava encarregado de traficar por via aérea, por meio de aeronaves, que operavam em propriedades rurais localizado nos Departamentos de Amambay, Concepción e Alto Paraguai.

Jornal Midiamax