Polícia

PRF morto após tentar matar ex e atual em motel de Campo Grande estava em licença médica

Policial rodoviário federal deixou uma carta de despedida

Thatiana Melo Publicado em 29/11/2021, às 07h44

None
(Leonardo França, Midiamax)

O policial rodoviário federal de 48 anos, encontrado morto nesse domingo (28) em uma área de mata na MS-040, próximo ao bairro Moreninhas, estava afastado por licença médica, segundo a assessoria de comunicação da PRF (Polícia Rodoviária Federal). Ele deixou uma carta de despedida.

Segundo a PRF, o policial estava afastado por licença médica, mas não foi detalhado sobre o que seria a causa do afastamento, já que segundo a assessoria é sigilo médico. Sobre a arma do policial, foi informado ao Jornal Midiamax que a arma de serviço dele está na superintendência da PRF.

O corpo do policial foi encontrado por volta das 16 horas desse domingo (28) por um popular que catava guaviras em meio ao mato. A vítima estava em avançado processo de decomposição. Ele já estaria morto há pelo menos dois dias, o que leva a crer que na sexta-feira (26), após tentar matar a ex-mulher e o atual tenha atentado contra a própria vida.

Uma carta de despedida foi encontrada, mas não foi revelado o conteúdo da carta e nem para quem era endereçada. Ainda segundo o delegado, o caso será investigado pela 4ª Delegacia de Polícia Civil e foi registrado a princípio como morte a esclarecer. No bolso do policial, foram encontrados documentos pessoais, cartões bancários e R$ 119. 

Carro rastreado x tiros no motel

A ex-mulher do policial disse em depoimento que ficou casada com o autor por três anos, sendo que conviveu com ele por 9 anos, mas que estavam em processo de separação. Ela ainda contou que nunca havia registrado um boletim de ocorrência anterior contra o ex-marido.

Ainda segundo a mulher, o carro dela foi rastreado pelo policial rodoviário federal até o motel. O PRF estava em um veículo Virtus, de cor branca. Ele deixou o carro na frente do estabelecimento e entrou a pé pelo portão da saída com duas armas de fogo.

Ao identificar o quarto em que as vítimas estavam, fez os disparos contra o acompanhante dela, atingido na boca. Tiros também atingiram o carro da mulher, agredida com várias coronhadas pelo agente federal.

O caso foi registrado como homicídio na forma tentada e feminicídio na forma tentada. O celular do homem ferido a tiros foi apreendido para perícia, assim como o carro que estava no motel. 

Jornal Midiamax