Polícia

Preso criou grupo no WhatsApp para ordenar roubo com família refém em Campo Grande

Pais e crianças foram ameaçados com arma de fogo

Renata Portela Publicado em 18/05/2021, às 17h20

Caminhão foi recuperado e três pessoas presas
Caminhão foi recuperado e três pessoas presas - (Divulgação, PCMS)

O roubo de um caminhão na noite de segunda-feira (17) no Danúbio Azul, que resultou em três pessoas presas, foi ordenado de dentro de uma unidade prisional em Campo Grande. Durante o roubo, a família proprietária do veículo foi mantida refém em casa, sob a mira de um revólver.

Segundo um dos presos, de 19 anos, ele já cumpriu pena por furto no Presídio de Trânsito. No domingo (16), ele foi colocado em um grupo de WhatsApp para combinar o roubo do caminhão. Ele relatou que o mandante do crime cumpre pena na Capital e passou as informações sobre o que seria feito.

Ainda de acordo com o rapaz, ele ganharia R$ 5 mil pelo roubo e foi um dos responsáveis por render a família e manter as vítimas reféns até que o caminhão fosse levado ao local de destino. Ele alegou não saber para onde o veículo seria levado e, na noite de segunda-feira (17), por volta das 22 horas uma mulher o buscou em casa.

Ela também buscou o comparsa de 30 anos, que estaria com a arma de fogo. O responsável por conduzir o caminhão, de 31 anos, também teria ido ao local com os autores, pegou o veículo e seguiu em direção a Corumbá. O caminhão acabou apreendido em Terenos, por agentes da PRF (Polícia Rodoviária Federal), e o motorista preso pelo GOI (Grupo de Operações e Investigações), bem como os dois outros envolvidos.

O caminhoneiro chegou a relatar que mora em uma cidade do interior e foi contratado para levar o caminhão de Campo Grande até Corumbá por R$ 7 mil. Inicialmente ele disse que não estranhou nem questionou o valor oferecido pelo serviço, mas que depois soube que o caminhão era roubado e mesmo assim teria aceito o serviço.

Os três presos foram conduzidos para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro, onde foi registrado o caso de roubo majorado pelo concurso de pessoas, pelo emprego de arma e pela restrição de liberdade da vítima.

Jornal Midiamax