Polícia

Postos são autuados pelo Procon e Polícia Civil por aumento nos preços em MS

Três postos de Aquidauana, cidade a 139 quilômetros de Campo Grande, foram notificados por aumento no preço dos combustíveis na manhã desta quinta-feira (18), durante ação realizada pela Polícia Civil e Procon-MS (Superintendência de Orientação e Defesa do Consumidor) de Mato Grosso do Sul. Além da irregularidade nos preços, os postos também estavam com produtos […]

Renan Nucci Publicado em 18/03/2021, às 13h27

Viatura da Polícia Civil durante fiscalização em um dos postos. Foto: Divulgação/PCMS
Viatura da Polícia Civil durante fiscalização em um dos postos. Foto: Divulgação/PCMS - Viatura da Polícia Civil durante fiscalização em um dos postos. Foto: Divulgação/PCMS

Três postos de Aquidauana, cidade a 139 quilômetros de Campo Grande, foram notificados por aumento no preço dos combustíveis na manhã desta quinta-feira (18), durante ação realizada pela Polícia Civil e Procon-MS (Superintendência de Orientação e Defesa do Consumidor) de Mato Grosso do Sul.

Além da irregularidade nos preços, os postos também estavam com produtos vencidos nas prateleiras. Os fiscais também vistoriaram academias de musculação e ginástica, para avaliação dos cadastros junto ao Cref (Conselho Regional de Educação Física). Os trabalhos de fiscalização continuam.

Durante a  reunião entre o superintendente do Procon-MS, Marcelo Salomão e o diretor executivo do Sinpetro (Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo e Lubrificantes), Edson Lazarotto, ficou acertado que o consumidor  só passará a pagar  combustível com reajustes à medida que forem se esgotando os  estoques nos postos, uma vez que o fornecedor também já estará adquirindo o produto com preços majorados.

Segundo informações liberadas pelo Sinpetro, os preços praticados em Campo Grande hoje dependendo  da “bandeira”, giram em torno de:  Petrobras de R$ 4,99 até R$ 5,25 ;  Ipiranga de R$ 4,98 até R$ 5,29 e na bandeira branca de R$ 4,98 até  R$ 5,15. “O Procon Estadual vai estar atento às práticas dos fornecedores, visando  evitar a imposição de preços abusivos em prejuízo dos consumidores”, diz o Procon em nota.

Jornal Midiamax