Polícia

Policial é suspeita de apontar arma de fogo para guarda municipal no CRS do Aero Rancho

Populares reconheceram a irmã dela como autora

Renata Portela e Thatiana Melo Publicado em 03/06/2021, às 18h07

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa

Na manhã desta quinta-feira (3), caso de ameaça foi registrado no CRS (Centro Regional de Saúde) do Aero Rancho, envolvendo uma mulher que se identificou como policial militar. Exaltada, ela teria apontado uma arma de fogo para um guarda municipal e outras pessoas que estavam ali, porque não queria se retirar.

Conforme apurado pelo Jornal Midiamax, o guarda municipal que estava trabalhando no CRS fazia rondas pela unidade quando foi abordado por uma enfermeira. Ela pediu para ele retirar uma mulher que estava como acompanhante no local, já que, por conta da pandemia, estão proibidos acompanhantes.

No entanto, quando o guarda foi até a suspeita e explicou a situação, ela disse que era policial militar e que estava armada. Ela então sacou a pistola e apontou para a cabeça do guarda, com o dedo no gatilho. Exaltada, a mulher dizia que não iria sair dali. O guarda então pediu para ela se acalmar e se afastou.

Mesmo assim, a mulher apontou a arma para outras pessoas que estavam ali, inclusive para a enfermeira no guichê de atendimento. Equipes da GCM (Guarda Civil Municipal) e da Polícia Militar foram acionadas e a policial militar foi identificada, como uma mulher de 36 anos. No entanto, a irmã dela, de 31 anos, foi apontada como autora pelos funcionários da unidade de saúde.

Testemunhas também reconheceram a irmã da PM como autora do crime. O caso foi registrado como ameaça na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Cepol e será investigado. A irmã da PM foi localizada e negou os fatos, mas a policial não foi encontrada.

Jornal Midiamax