Polícia

Polícia afirma ter suspeito de assassinato e diz que também ouvirá namorado de Bruna Aquino

Executada em local sem câmeras, polícia analisa versões sobre a morte da jovem

Thatiana Melo Publicado em 08/09/2021, às 11h12

None
(Reprodução)

A Polícia Civil já teria suspeito para o assassinato de Bruna Aquino, de 22 anos, executada com dois tiros no pescoço na noite do dia 1º de setembro, no bairro Itamaracá, em Campo Grande. Testemunhas serão ouvidas nesta semana, entre elas, o namorado de Bruna.

De acordo com o delegado Nilson Friedrich, da 4º Delegacia de Polícia Civil, que está à frente das investigações, detalhes não podem ser repassados para não atrapalharem a investigação, mas foi confirmado um suspeito para o crime.

O carro, Volkswagen Gol, do namorado de Bruna já foi periciado e apenas um projétil foi encontrado na porta do veículo. O namorado de Bruna ainda não havia sido ouvido porque estava internado se recuperando de uma cirurgia depois de ser atingido por um dos tiros. No local onde aconteceu o assassinato, não havia câmeras de segurança, além de ser um lugar ermo e escuro.

Bruna Aquino foi assassinada a tiros quando estava na companhia do namorado em carro que foi alvejado por tiros. O homem contou aos policiais que estava em seu carro nas proximidades do macroanel rodoviário, no Itamaracá, em uma rua de chão, quando um desconhecido chegou a pé, com um capacete nas mãos e armado.

O autor realizou vários disparos contra o veículo, um total de 3 a 4 tiros, acertando ele de raspão no braço, mas atingindo Bruna por duas vezes no pescoço. O crime aconteceu por volta das 22 horas desta quarta.

Em seguida, quando viu que a namorada sangrava demais, correu para tentar socorrê-la, levando-a para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) do Universitário. Chegando ao local, os médicos tentaram a reanimação, mas Bruna já estava morta. Na lataria do carro, havia várias manchas de sangue.

Briga na boate

Aos policiais, o namorado contou que, nos dias 29 e 30 de agosto, foram até uma casa noturna, na Avenida Presidente Ernesto Geisel, onde um homem passou a mexer com Bruna e ele teria chamado o rapaz de 'inconveniente'. Ao saírem do local, percebeu que foram seguidos por duas pessoas em uma motocicleta e que tiros foram disparados contra o carro, acertando Bruna de raspão no pescoço, mas a jovem não quis registrar boletim de ocorrência. 

O namorado ainda contou que momentos antes dos disparos, na noite de quarta-feira (1º), ela teria recebido uma mensagem em seu celular de uma pessoa identificada como ‘Kaique’. O aparelho foi apreendido para ser periciado. O homem chegou a levar os policiais até o local onde o crime aconteceu, mas nenhuma testemunha foi localizada por se tratar de um lugar ermo. No carro, foram encontrados projéteis na forração da porta e no volante.

Jornal Midiamax