Polícia

VÍDEO: Operação da PF prende empresário e faz apreensão de artigos de luxo em Campo Grande

Segunda fase da operação recolhe 'muamba chique', revendida para ostentação em MS

Thatiana Melo e Dayene Paz Publicado em 26/05/2021, às 07h54

None

Foram cumpridos na manhã desta quarta-feira (26), em Campo Grande 15 mandados de busca e apreensão e prisão em operação da PF em conjunto com a Receita Federal contra contrabando, descaminho e lavagem de dinheiro. Um empresário de produtos importados acabou preso e levado para a sede da Polícia Federal.

Esta é a segunda fase da Operação Hipócartes, deflagrada em 2017. O empresário que vende produtos importados e de luxo foi preso na sua casa no bairro Jóquei Club, em Campo Grande nesta manhã. A Land Rover do empresário foi apreendida, assim como, vários documentos e computadores.

Foram cumpridos 1 mandado de prisão e 14 de busca e apreensão. Os agentes também foram até um condomínio, no bairro Morumbi. Durante as investigações, identificou-se a continuidade na comercialização de produtos eletrônicos estrangeiros, sem o devido registro de importação.

Foi apurado que empresas fictícias eram usadas, assim como, ‘laranjas’ para dar a aparência de legalidade ao comércio. Os pagamentos aos fornecedores, no Paraguai, eram feitos através de doleiros. Além dos mandados foram sequestrados dois imóveis, três veículos e contas bancárias de quatro investigados.

Participam das ações oito auditores-fiscais e 12 analistas-tributários da Receita Federal e mais de 62 policiais federais.

Ostentação

O nome da operação faz referência à mitologia grega, na qual Harpócrates representa o deus do silêncio e do segredo, contrastando com a ostentação apresentada por alguns investigados.

Na primeira fase,  a operação investigava esquema que descobriu suposto descaminho e lavagem de dinheiro. Eram realizadas vendas de produtos eletrônicos como notebook e smartphones na loja de um hotel e também roupas de grife, importadas sem o pagamento de impostos. Os produtos eram vendidos nas lojas dos investigados.

No entanto, o preso naquela ocasião foi inocentado das acusações. 

Jornal Midiamax