Polícia

Pecuarista é multado em R$ 36,6 mil por desmatar margens do Rio Taquari

A PMA (Polícia Militar Ambiental) autuou um pecuarista em R$ 36,6 mil por desmatamento ilegal inclusive de margem do Rio Taquari, além de exploração ilegal de madeira e apreendeu uma máquina de esteira nesta terça-feira (12). Policiais ambientais de Coxim autuaram um pecuarista por desmatamento ilegal de áreas protegidas por lei e exploração ilegal de […]

Diego Alves Publicado em 12/01/2021, às 20h53 - Atualizado às 20h54

Área desmatada nas margens do Taquari (PMA)
Área desmatada nas margens do Taquari (PMA) - Área desmatada nas margens do Taquari (PMA)

A PMA (Polícia Militar Ambiental) autuou um pecuarista em R$ 36,6 mil por desmatamento ilegal inclusive de margem do Rio Taquari, além de exploração ilegal de madeira e apreendeu uma máquina de esteira nesta terça-feira (12).

Pecuarista é multado em R$ 36,6 mil por desmatar margens do Rio Taquari
Área desmatada (PMA)

Policiais ambientais de Coxim autuaram um pecuarista por desmatamento ilegal de áreas protegidas por lei e exploração ilegal de madeira. A PMA localizou a infração em três áreas de diferentes características, em uma fazenda localizada na área rural do município, a 16 km da cidade. Os crimes estavam sendo cometidos com uso de uma máquina de esteira que foi apreendida.

Ainda de acordo com a polícia, uma parcela da vegetação foi desmatada à margem do rio Taquari, a 55 metros, onde deveriam ser preservados 100 metros. 3 hectares do desmatamento foram dentro de uma área brejosa declarada no Cadastro Ambiental Rural (CAR) como área de preservação permanente (APP). Mais 1 hectare foi desmatado em área sem proteção especial por lei, que poderia ser desmatada, porém, não havia a devida licenciamento ambiental.

Ainda foram localizadas 52 árvores derrubadas de diversas espécies para exploração da madeira, também sem autorização ambiental. As atividades foram paralisadas. O infrator (40), residente em Coxim, foi autuado administrativamente e foi multado em R$ 36.600,00. O pecuarista também responderá por crime ambiental e, se condenado, poderá pegar pena de um a três a anos de detenção.

O fazendeiro também foi notificado a apresentar Plano de Recuperação da Área Degradada e Alterada, junto ao órgão ambiental.

Jornal Midiamax

☰ Últimas Notícias