Polícia

Oficial preso por tráfico não consegue reverter expulsão da PMMS na Justiça

Militar foi preso em 2018 com carga de skunk

Renata Portela Publicado em 27/04/2021, às 15h01

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa

Nesta terça-feira (27), foi publicada no Diário Oficial da Justiça a negativa ao pedido para reverter a expulsão de Wueverton Cabral das fileiras da PMMS (Polícia Militar de Mato Grosso do Sul). Preso em flagrante em 2018 por tráfico de drogas, o ex-militar foi expulso em março de 2020.

Conforme a publicação, a turma da 2ª Câmara Cível do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) negou, por unanimidade, provimento ao recurso do réu. A intenção era de anular o ato administrativo de exclusão do ex-policial da corporação. No entanto, a sentença foi mantida.

Prisão em flagrante

No dia 4 de junho de 2018, o policial militar foi preso pelo DOF (Departamento de Operações de Fronteira) com 10,5 quilos de skunk na Rodovia MS-164 em Ponta Porã, a 346 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com a polícia, o então soldado Cabral conduzia um Chevrolet Classic, quando foi abordado pela equipe. Ele era lotado no quarto pelotão de Ponta Porã e levava no veículo 38 pacotes com skunk, acomodados em uma bolsa.

Um colete balístico e um fardamento da PM também foram encontrados no carro. A princípio, Cabral teria dito que a bolsa era do passageiro e desconhecia da existência do entorpecente. Já na delegacia, o passageiro revelou que foi convidado pelo PM para levar a droga até Campo Grande.

Eles receberiam um valor pelo transporte da droga e foram presos em flagrante pelo tráfico. Em março de 2020, o militar foi expulso da PMMS “a bem da disciplina”.

Jornal Midiamax