Polícia

Não aceita: mochileira descobre morte de namorado na Santa Casa

A mãe da jovem disse que precisou revelar toda verdade

Anna Gomes Publicado em 24/11/2021, às 19h21

Depois de mais de oito meses na estradas do Brasil, Tiago e Jeniffer estavam terminado um mochilão.
Depois de mais de oito meses na estradas do Brasil, Tiago e Jeniffer estavam terminado um mochilão. - Divulgação

Angélica Santos Pereira, de 49 anos, mãe da jovem Jeniffer Santos Pereira, de 19 anos, conta que a filha já está sabendo da morte do namorado, o mochileiro Tiago Escarcell Boher de 32 anos, que acabou morrendo três dias depois de ficar internado ao sofrer um acidente na BR-060 ao ter a sua motocicleta atingida por outro motociclista.

A mãe explica que conversou com a filha nesta manhã de quarta-feira (24) e destaca que tentou poupar o sofrimento de Jeniffer, mas a jovem perguntava muito sobre o estado de saúde do namorado.

“Minha filha achava que ele estava internado e eu tentei segurar a verdade para evitar o sofrimento dela. Ela já estava desconfiando e fazia perguntas. Precisei dizer tudo”, disse Angélica.

Depois de mais de oito meses na estradas do Brasil, Tiago e Jeniffer estavam terminado um mochilão. Mato Grosso do Sul era o último Estado do país que faltava para concluir a aventura do casal.

“Eles estavam juntos há um ano e logo começaram a viagem. A Jeniffer era completamente apaixonada pelo Tiago e chora muito toda hora. Estou tentando evitar falar sobre o assunto perto dela. Buscamos ajuda com a equipe médica para darmos a notícia. Está triste demais, mas também sei que é forte”, explica.

Ainda segundo mãe, Jeniffer continua sem previsão de alta. A jovem chegou a ficar uma semana internada no Centro de Terapia Intensivo (CTI), e agora segue em um quarto da Santa Casa de Campo Grande.

“A jeniffer vai passar por outras cirurgias e o médico disse que ainda vai demorar para ela receber alta”, adiantou.

O acidente

O acidente envolveu duas motocicletas, uma BMW e uma Honda CG, e resultou na morte de Clovis Zolet, de 63 anos. O casal ficou gravemente ferido. A colisão ocorreu no km-97 por volta das 15 horas, quando Clovis, que estava na BMW em um comboio de motociclistas, tentou fazer a ultrapassagem de um caminhão em um local proibido e bateu frontalmente contra a Honda CG, onde estava o casal, de 19 e 32 anos.

Com a batida, o casal foi arremessado para as margens da rodovia e o homem teve a perna amputada no local com a colisão. Já a jovem teve fraturas pelo corpo, sendo os dois socorridos em estado grave para uma unidade de saúde e depois levados para a Santa Casa de Campo Grande em vaga zero.

Com a colisão entre as motocicletas, Clovis acabou atropelado pelo último eixo da carreta que tentava ultrapassar, morrendo no local. O grupo tinha como rota a cidade de Costa Rica, onde passariam a noite. Um empresário de Paraíso das Águas disse que seguia logo atrás e presenciou o acidente: "imagens que não esquecerei tão cedo", declarou.

Jornal Midiamax