Polícia

Mutirão irá coletar DNA de presos condenados por crimes sexuais, homicídios, feminicídios e roubos

De acordo com a Sejusp o procedimento tem base na Lei N.º 12.654, de maio de 2012

Diego Alves Publicado em 15/09/2021, às 21h13

Reprodução
Reprodução

O IALF (Instituto de Análises Laboratoriais Forenses) fará um mutirão para coletar DNA de 350 presos condenados pela Justiça nesta quinta-feira (16) no Complexo Penitenciário do Jardim Noroeste, em Campo Grande. O mutirão coletará DNA de presos condenados por crimes sexuais, homicídios, feminicídios e roubos.

De acordo com a Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública) o procedimento tem base na Lei N.º 12.654, de maio de 2012, que prevê a coleta de perfil genético como forma de identificação criminal, o Instituto de Análises Laboratoriais Forenses de Mato Grosso do Sul. A coleta será feita , a partir das 8 horas da manhã, por uma equipe composta por 10 peritos criminais e 2 peritos papiloscopitas.

Segundo a secretaria, além de amostras de DNA, serão coletadas impressões digitais daqueles presos já condenados pela Justiça. O fornecimento de material à identificação do perfil genético, por parte dos detentos condenados é obrigatória, conforme o artigo 9º-A da Lei N.º 12.654.
“Esse material será incluído nos Bancos Estadual e Nacional de Perfis Genéticos e confrontados com os vestígios que colhemos em locais de crimes, com o objetivo de identificar os autores”, disse a diretora do IALF, Josemirtes Fonseca Prado da Silva.
Os dados constantes dos bancos de dados de perfis genéticos são de caráter sigiloso. Com essas informações cadastradas no banco, é possível apontar a autoria de crimes sem solução, além de comprovar a inocência de suspeitos e interligar um caso com outras investigações das demais esferas policiais, funcionando assim como uma ferramenta eficiente para resolver crimes.

Banco Nacional de Perfis Genéticos

Mato Grosso do Sul integra a Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos (RIBPG), que é coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública. A RIBPG é formada, atualmente, por 22 laboratórios de genética forense vinculados a unidades de perícia estaduais, distrital e federal.

Ferramenta importante para auxiliar em investigações criminais, o Banco Nacional de Perfis Genéticos ultrapassou a marca de 100 mil perfis cadastrados. A maior parte é ligada a pessoas envolvidas em casos violentos e de abuso sexual. O banco foi criado em 2013 e é coordenado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

O Banco Nacional de Perfis Genéticos é usado em investigações criminais de todo o Brasil por meio da prova pericial do DNA. O material genético é coletado pela perícia no local do crime ou no corpo da vítima. São, por exemplo, vestígios como fios de cabelo, sangue e outros materiais biológicos. Além de exames feitos pelas vítimas de violência no Instituto Médico Legal (IML).

Jornal Midiamax