Polícia

‘Madrinha do PCC’ é presa pela segunda vez por comandar roubos em Campo Grande

Ela teve liberdade provisória garantida no último mês

Ela teve liberdade provisória garantida no último mês Publicado em 26/06/2021, às 08h13

Assaltantes e mandante do crime foram localizados
Assaltantes e mandante do crime foram localizados - (Divulgação, Batalhão de Choque)

Pouco mais de um mês após ser presa em flagrante e liberada provisoriamente, Márcia Paschoala Espírito Santo, a ‘Madrinha do PCC’voltou a ser detida por comandar roubos de veículos em Campo Grande. Na noite de sexta-feira (25), ela e um rapaz de 23 anos foram presos e um adolescente de 15 anos apreendido.

Conforme informações do Batalhão de Choque, equipes foram acionadas por conta do roubo de uma Fiat Strada na Rua Francisco Alves Castelo, na Vila Piratininga. A vítima de 42 anos foi assaltada por dois homens em uma motocicleta, sendo que o garupa usava um capacete rosa.

Com as características dos autores, os militares iniciaram as buscas e encontraram a picape na garagem de uma casa. Foi feito um cerco no local e os assaltantes acabaram detidos em flagrante, confessando o roubo da Strada, bem como de uma Fiat Toro roubada na quinta-feira (24), que foi abandonada no Buriti.

Na casa ainda foram encontradas 16 munições, três jet loader e dinheiro. O autor de 23 anos ainda revelou que a arma e a moto usadas estavam guardados em uma casa no Santo Eugênio. Durante a ocorrência, os autores revelaram que os roubos eram cometidos a mando de Márcia, conhecida como ‘Madrinha’ do PCC (Primeiro Comando da Capital).

Eles revelaram que ela teria ‘convidado’ a dupla para o crime, bem como orquestrado os roubos das camionetes, e ainda ofereceu a arma usada para os roubos. Ela foi encontrada em casa, no Jardim Leblon, e presa em flagrante. A motocicleta usada pelos bandidos e o revólver calibre 22, municiado, foram apreendidos.

Madrinha do PCC

Em maio deste ano, Márcia foi presa com outros dois homens pelo roubo de um caminhão e sequestro do motorista, ocorridos na madrugada do dia 9. No dia 10, em audiência de custódia, ela teve a liberdade provisória concedida e voltou a praticar os crimes.

Conforme apurado pela polícia, ela seria responsável por intermediar os roubos de caminhões e outros veículos, além de sequestros de motoristas. Ela chegou a alegar que tinha uma dívida de drogas com o PCC e, por isso, estaria intermediando os roubos. Também no relato, ela contou que os veículos roubados eram levados para a região de fronteira.

Prisões

Durante fiscalização na região da BR-262, em Miranda, a PRF abordou um caminhão guincho e constatou que o veículo era roubado. O motorista, que estava a caminho da Bolívia e acabou preso, havia recebido uma transferência bancária no valor de R$ 500, feita por um dos integrantes do bando, que seria morador na Rua Belém, no Jardim Imá.

A suspeita era de que tal indivíduo teria pagado o motorista para atravessar o caminhão na fronteira. Em seguida, a PRF descobriu também que uma mulher moradora na Rua Eugênio, no bairro Buriti, seria a responsável pela contratação do atravessador. Diante dos fatos, foi acionado apoio do Batalhão Choque e, ao mesmo tempo, as equipes fizeram buscas nas residências destes dois suspeitos.

O homem morador no Imá, inicialmente negou ter feito qualquer transferência ao condutor do caminhão roubado. Contudo, em seguida acabou confessando que agiu a pedido da ‘Madrinha’. Os envolvidos foram presos e o caminhoneiro liberado do cárcere.

Jornal Midiamax