Polícia

Funcionária de pizzaria é chamada de ‘negra encardida’ por colega de trabalho em cidade de MS

Uma jovem de 18 anos procurou a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) para denunciar foi vítima de racismo. Segundo a ocorrência, ela foi chamada de “negra encardida” no trabalho. O caso aconteceu na noite desta quinta-feira (28) em uma pizzaria localizada na Avenida Weimar Gonçalves Torres, região central de Dourados. Na ocorrência registrada na […]

Marcos Morandi Publicado em 29/01/2021, às 11h19 - Atualizado às 11h41

Depac de Dourados vai investigar a denúncia de racismo. (Foto: Marcos Morandi)
Depac de Dourados vai investigar a denúncia de racismo. (Foto: Marcos Morandi) - Depac de Dourados vai investigar a denúncia de racismo. (Foto: Marcos Morandi)

Uma jovem de 18 anos procurou a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) para denunciar foi vítima de racismo. Segundo a ocorrência, ela foi chamada de “negra encardida” no trabalho. O caso aconteceu na noite desta quinta-feira (28) em uma pizzaria localizada na Avenida Weimar Gonçalves Torres, região central de Dourados.

Na ocorrência registrada na Depac, a vítima relatou que a confusão teve início quando ela pediu para uma colega de trabalho não mexer no dinheiro do caixa do estabelecimento para pagar os fornecedores, já que ela teria ficado responsável pela função por ordem do chefe.

Entretanto a colega teria respondido que poderia pegar o dinheiro, pois trabalhava no estabelecimento há oito meses e que não iria roubar. Nesse momento a comunicante da ocorrência tentou explicar que não estava fazendo nenhuma acusação.

“Não estou dizendo que você vai pegar dinheiro para você, é que nós três somos responsáveis pelo caixa, e na falta de qualquer valor, nós do caixa somos responsáveis”, disse a jovem que procurou a polícia.

Em seguida, conforme o boletim registrado na Depac, a colega se dirigiu até onde estavam outros funcionários e disse: “aquela negra encardida, tá dando nojo lá dentro”.

O caso foi registrado como “Injúria, se consiste na utilização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem ou a condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência” pela vítima, que decidiu representar juridicamente contra a colega de trabalho.

Jornal Midiamax