Polícia

Filha que mandou matar pai em Dourados contratou pistoleiros na fronteira

Ela e o amante levaram os autores do crime até o sítio da vítima, que foi executada na frente do neto de 10 anos

Marcos Morandi e Diego Alves Publicado em 04/09/2021, às 06h16

A polícia chegou até os mandantes do crime por meio da descoberta de mentiras e contradições da filha
A polícia chegou até os mandantes do crime por meio da descoberta de mentiras e contradições da filha - Marcos Morandi

Após esclarecer o assassinato do produtor rural Ireno Dias dos Santos, de 70 anos, os agentes do SIG (Setor de Investigações Gerais), agora procuram pelos dois pistoleiros que teriam sido contratados em Ponta Porã por Irene Márcia Teodoro dos Santos Alencar, de 35 anos, com a ajuda do amante, Adaias Oliveira Silva, de 30. Os dois foram presos na noite desta sexta-feira (3) como mandantes do crime.

Ireno foi executado a tiros na frente do próprio neto de 10 anos, filho da autora, na última segunda-feira (30). Do local foi levado um cofre com aproximadamente R$ 200 mil. De acordo com o delegado Erasmo Cubas, não havia ninguém fora da família que sabia sobre a rotina da vítima.

A polícia chegou até os mandantes do crime por meio da descoberta de mentiras e contradições da filha durante as oitivas. Ela chegou a registrar um boletim de ocorrência falso de furto do próprio veículo. No dia do enterro do pai, para não atender mais as ligações da polícia, ela formatou seu aparelho celular.

Durante as investigações, a polícia também descobriu que ela tinha o caso extraconjugal. Irene chegou a apresentar uma pessoa como sendo o suposto amante dela. Contudo, nesta sexta, o verdadeiro amante foi descoberto. A polícia chegou até ele, por causa de imagens de câmeras de um motel da cidade, de onde ambos entraram e saíram na semana passada.

Segundo o delegado do SIG, durante depoimento, o amante negou que estivesse com ela no dia do crime e que estava trabalhando, entretanto, o aparelho dele também estava formatado. Durante buscas na casa de Adaias, a polícia encontrou um colete camuflado, gandolas do exército e objetos relacionados às munições.

Jornal Midiamax