Polícia

‘Estava em seu melhor momento’: feliz com profissão, Carla tinha dois empregos e criava os 5 filhos sozinha

Guerreira, sonhadora e honesta. Dessa maneira que familiares e amigos irão lembrar da técnica de enfermagem Carla Jaqueline Miranda, de 40 anos, vítima de um trágico acidente na noite de domingo (24), em Campo Grande. Carla estava recém-formada, feliz com a profissão, que aliás, lhe trouxe dois empregos e a alegria de poder criar os […]

Dayene Paz Publicado em 26/01/2021, às 10h08 - Atualizado em 27/01/2021, às 11h42

Família de Carla durante despedida | Imagem: Henrique Arakaki
Família de Carla durante despedida | Imagem: Henrique Arakaki - Família de Carla durante despedida | Imagem: Henrique Arakaki

Guerreira, sonhadora e honesta. Dessa maneira que familiares e amigos irão lembrar da técnica de enfermagem Carla Jaqueline Miranda, de 40 anos, vítima de um trágico acidente na noite de domingo (24), em Campo Grande.Carla estava recém-formada, feliz com a profissão, que aliás, lhe trouxe dois empregos e a alegria de poder criar os cinco filhos. “Ela estava em seu melhor momento. Estava realizada”, disse o amigo Antônio Marcos Cordeiro, de 49 anos.

Familiares e amigos deram o último adeus a Carla na manhã desta terça-feira (26). Durante o velório, a cunhada, Sirene Felizarda Costa, de 57 anos, que a tinha como uma filha, contou ao jornal Midiamax que mora no interior do Estado e estava em Campo Grande no domingo, data do acidente. Ela esperava a visita de Carla naquela noite, mas foi surpreendida pela notícia da morte.

‘Estava em seu melhor momento’: feliz com profissão, Carla tinha dois empregos e criava os 5 filhos sozinha
Carla não resistiu e morreu no local. Imagem: Facebook

Sirene disse que no domingo uma das filhas de Carla foi realizar a prova do Enem e então a técnica de enfermagem decidiu ir até a casa de uma amiga com os outros filhos. “A noite a Carla mandou os filhos de Uber e ia passar de moto para me visitar”, conta. “Ela não chegou e todo mundo começou a se preocupar, ligamos e dava desligado, quando rastreamos, deu na delegacia. Ela já estava morta”, lamentou.

O sentimento é de revolta e o apelo para que o autor do atropelamento, que conduzia bêbado uma BMW, pague pelo crime preso. “Eu não quero que ele morra, quero que ele pague, na cadeia. Não foi um acidente, ele matou ela”, enfatiza.

Carla se formou em 2018 e estava empolgada com a nova profissão. Rodeada de gente querida, ela não deixava a peteca cair, criava os cinco filhos de 4, 10,12,17 e 22 anos sozinha, fazia trabalho voluntário e tinha dois empregos. “O único medo dela, era deixar o filho mais novo desamparado”, comentou Sirene.

Entre as pessoas queridas está Adriana de Oliveira, de 28 anos, amiga de Carla há 11 anos. “Ela era uma pessoa muito alegre, humilde e nunca abaixou a cabeça. A Carla vai fazer muita falta e deixa uma tristeza grande nos nossos corações”, lamentou a amiga.

O vizinho de mais de vinte anos, Antônio Marcos Cordeiro, disse não acreditou ao receber a notícia da morte de Carla. “É uma vida que se interrompe em seu melhor momento. Ela tinha acabado de se formar, estava trabalhando em dois empregos e criando os filhos, estava muito feliz. Fica a lembrança de uma mulher guerreira, sonhadora e muito honesta”, finalizou Antônio.

Fuga e atropelamento

O condutor estava em alta velocidade com a BMW de cor preta, quando teria fugido ao ver uma viatura da Polícia Militar no Jardim Imperial na noite de domingo (24). Os militares então iniciaram um acompanhamento tático, quando perderam o veículo de vista. No entanto, ao entrar na rua Veridiana com a Avenida Prefeito Heráclito José Diniz de Figueiredo, perceberam um tumulto e pessoas apontando para um acidente.

Morta em acidente com BMW em Campo Grande era técnica de enfermagem de 40 anos
Moto Biz ficou presa em BMW. Imagem: Divulgação

Os policiais constataram que se tratava da mesma BMW que estava em alta velocidade. Segundo apurado, o veículo com placas de São Paulo era conduzido pelo rapaz de 29 anos e também tinha outros dois rapazes como passageiros. Eles voltavam de um aniversário no Autódromo de Campo Grande, onde ingeriam bebidas alcoólicas desde às 15h. Com o veículo irregular, sem CNH e bêbado, o rapaz fugiu ao ver a polícia.

Então, ao chegar no semáforo na rua Veridiana, acessou a contramão da via, onde ainda trafegou por cerca de 400 metros, quando atingiu frontalmente a Honda Biz, conduzida por Carla. A vítima chegou a ser lançada a cerca de 10 metros da colisão e morreu no local. Já a Biz foi arrastada por cerca de 100 metros, permanecendo presa a BMW.

O condutor ainda tentou fugir, mas colidiu contra o meio fio e parou. Ele fez o teste do bafômetro, que apontou 0,57mg/l e foi encaminhado para a Depac Centro. Ainda, de acordo com apurado pelo jornal Midiamax, em nome do condutor da BMW consta uma vasta ficha criminal, entre tráfico de drogas e até homicídio.

Jornal Midiamax