Polícia

Encontrada carbonizada foi estuprada após morrer, confessou assassino em depoimento

Homem disse que a mulher teria se recusado a fazer programa

Thatiana Melo Publicado em 22/04/2021, às 10h26

None

Preso pelo assassinato de Aliana Dias dos Santos de 41 anos encontrada morta em meio a um canavial às margens da BR-163 em Nova Alvorada do Sul a 120 quilômetros de Campo Grande, Luiz Antônio Santana de 48 anos contou sobre o crime para duas testemunhas, que acabaram ouvidas na delegacia apontando ele, como o autor do assassinato brutal.

Ele acabou preso pela polícia e confessou o crime dizendo que havia cometido o assassinato junto de um comparsa, que ainda não foi localizado. Segundo o depoimento de Luiz, ele encontrou a vítima na rua e sugeriu a realização de um programa em troca de entorpecentes. Os três foram até um canavial às margens da rodovia e consumiram drogas juntos.

A vítima, no entanto, recusou-se a realizar o programa, sendo que neste momento os dois autores passaram a agredi-la com socos, estrangulamento e golpes na cabeça com um macaco hidráulico. Enquanto a vítima ainda agonizava, o outro autor a teria estuprado. O suspeito abordado pela polícia disse não saber sobre o fogo colocado no corpo da vítima, acreditando que tenha sido posto pelo comparsa.

Aliana estava desaparecida há dois dias quando teve o corpo encintrado carbonizado. A vítima foi encontrada por funcionários que tentavam apagar as chamas no canavial. Ela foi encontrada com vários ferimentos na cabeça e com as roupas íntimas abaixadas na altura do joelho. O filho de Aliana fez o reconhecimento do corpo.

Jornal Midiamax