Polícia

De dentro do presídio ou com ‘ficha limpa’, líderes de organização criminosa são presos em Operação

A Polícia Civil de Rio Verde de Mato Grosso, distante 194 km da Capital, finalizou nesta terça-feira (23) a primeira fase da Operação Expurgo, contra uma organização criminosa responsável pelo tráfico de drogas na cidade. Um dos líderes foi localizado e preso, e era responsável por ocultar a droga em sua casa. Outro já cumpria […]

Danielle Errobidarte Publicado em 24/03/2021, às 17h30

Celulares e porções de droga foram apreendidos. (Foto: Divulgação/ PC)
Celulares e porções de droga foram apreendidos. (Foto: Divulgação/ PC) - Celulares e porções de droga foram apreendidos. (Foto: Divulgação/ PC)

A Polícia Civil de Rio Verde de Mato Grosso, distante 194 km da Capital, finalizou nesta terça-feira (23) a primeira fase da Operação Expurgo, contra uma organização criminosa responsável pelo tráfico de drogas na cidade. Um dos líderes foi localizado e preso, e era responsável por ocultar a droga em sua casa. Outro já cumpria pena na Máxima.

Durante meses, o SIG (Setor de Investigações Gerais) realizou monitoramento de conversas e mensagens telefônicas dos suspeitos, acusados de comercializar entorpecentes na região. Foi identificado um dos integrantes com a função chamada de “guarda-roupa”, líder responsável por dificultar a identificação policial, por não possuir antecedentes criminais e ter emprego fixo.

A quadrilha fazia o fracionamento da droga em pequenas porções para diminuir o risco de eventuais flagrantes. Parte do material ocultado estava na residência do suspeito. Com ajuda da PRF (Polícia Rodoviária Federal), o homem foi preso na cidade de Sonora, onde trabalhava, e levado até a delegacia de Rio Verde.

O segundo integrante já cumpria pena no Presídio de Segurança Máxima da Capital, e era considerado o chefe responsável pela organização em Rio Verde, enviando “ordens” através dos celulares, dentro do presídio.

Jornal Midiamax