Polícia

Congresso do PT termina com abuso sexual em Campo Grande

Partido só decidiu 6 dias depois do crime que vai registrar o caso na polícia

Aliny Mary Dias Publicado em 04/12/2021, às 12h44

Congresso foi realizado na sede do partido em Campo Grande
Congresso foi realizado na sede do partido em Campo Grande - Foto: Reprodução

Congresso estadual da Juventude do Partido dos Trabalhadores, realizado no último sábado (27), em Campo Grande, terminou em caso de polícia que só veio à tona uma semana depois. Durante confraternização entre filiados, uma jovem foi abusada sexualmente por um filiado do partido. O caso será investigado pela Polícia Civil.

Presidente estadual do PT em Mato Grosso do Sul, Vladimir Ferreira disse ao Jornal Midiamax que o congresso da Juventude petista era realizado no prédio da sede da legenda em Campo Grande, localizada no Centro.

Após o evento que reuniu filiados de todo o Estado, houve confraternização entre os jovens. Em certo momento da festa, segundo o presidente do PT-MS, um estudante que é filiado no PT de São Paulo abusou sexualmente de uma jovem que é filiada do partido na Capital.

O crime teria ocorrido em uma das salas da sede do partido. Não há detalhes das circunstâncias do abuso e porque a Polícia Militar não foi acionada.

Seis dias após o caso, nesta sexta-feira (3), mulheres que integram o coletivo feminino do partido se reuniram e decidiram que o caso será encaminhado à Polícia Civil. Boletim de ocorrência deve ser registrado na Casa da Mulher Brasileira.

Questionado sobre o tempo entre o crime e a decisão de levar a situação até as autoridades, o presidente do partido afirmou que o caso foi tratado de perto pelas mulheres do coletivo feminino e que a prioridade nos primeiros dias após o crime foi dar apoio à vítima.

Em razão do autor do abuso ser filiado ao PT de São Paulo, o diretório estadual de Mato Grosso do Sul repassou os fatos à direção do estado vizinho, que irá apurar o caso e determinar se haverá afastamento ou expulsão do jovem.

O Jornal Midiamax entrou em contato com integrantes da Juventudade do PT, mas ninguém quis comentar o assunto. À reportagem, a DEAM (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) informou que nenhum boletim de ocorrência a respeito do fato foi registrado até o momento. 

Jornal Midiamax