Polícia

Condenado, PM que furou serviço para ir à festa é transferido para reserva remunerada

Ele também infringiu medidas sanitárias

Renata Portela Publicado em 30/06/2021, às 13h49

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - (Foto: Henrique Arakaki, Midiamax)

Foi publicada no Diário Oficial do Estado desta quarta-feira (30), a transferência do policial militar, 1º tenente Nilson Fernandes Sena Junior, para a reserva remunerada. O militar foi detido e condenado por ‘furar’ o serviço e também a quarentena para participar de uma festa em Bataguassu, a 335 quilômetros de Campo Grande, em junho de 2020.

A transferência é assinada pelo diretor-presidente da Ageprev (Agência de Previdência Social de Mato Grosso do Sul) Jorge Oliveira Martins. Conforme a publicação, a transferência é feita a pedido e com proventos proporcionais e paridade. Atualmente, o policial recebe remuneração fixa de R$ 12.903,24, conforme o Portal da Transparência.

Condenação e prisão

A audiência de julgamento foi realizada ainda no início do mês de março. O Conselho Especial de Justiça, por maioria (3 votos a 2), condenou o policial militar por embriaguez em serviçoe também pelo descumprimento de missão, crimes do Código Penal Militar. Já por resistência mediante ameaça, desacato a militar e infração de medida sanitária preventiva o militar foi absolvido (4 votos a 1).

Com isso, foi definida sentença de 1 ano e 2 meses de detenção, a serem cumpridos inicialmente em regime aberto, podendo inclusive apelar em liberdade. O militar estava detido no Presídio Militarem Campo Grande.

O policial militar, que era comandante no Batalhão de Anaurilândia, foi preso participando de uma festa em Bataguassu. No entanto, ele também estava em horário de serviço, então furou a quarentena e também o trabalho.

Equipe da Polícia Militar foi chamada por volta das 18h30 para ir até a chácara onde acontecia a festa com aglomeração. Assim que chegaram, os policiais ficaram com a viatura desligada do lado de fora, até constatarem que acontecia a festa no local.

Quando identificaram o som alto, ligaram o giroflex e foram até a frente do portão. Em seguida, o tenente apareceu e começou a falar com os policiais, dizendo que aquilo não configurava aglomeração de pessoas. Ele ainda começou a discutir com os policiais que atendiam à ocorrência e acabou preso em flagrante.

Com isso, na audiência de custódia, o juiz manteve a prisão do réu. Assim, o policial permaneceu detido. Ele se tornou réu no processo em 20 de julho de 2020.

Jornal Midiamax