Polícia

Com saúde debilitada, Justiça autoriza prisão domiciliar de Fahd Jamil

Fahd Jamil terá que utilizar tornozeleira eletrônica

Diego Alves Publicado em 02/06/2021, às 21h06

Fahd Jamil estava preso no Garras(Foto: Leonardo de França, Midiamax)
Fahd Jamil estava preso no Garras(Foto: Leonardo de França, Midiamax)

A Justiça autorizou que Fahd Jamil de 79 anos, deixe o Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco e Sequestros), onde está preso desde o último dia 19 de abril, e cumpra prisão domiciliar. A devisão é do juiz Roberto Ferreira Filho, da 1ª Vara Criminal de Campo Grande.

A defesa fez o pedido com base em laudos médicos que mostra que Fahd Jamil, de 79 anos, tem diversos problemas de saúde. De acordo com a Justiça, Fahd Jamil terá que utilizar tornozeleira eletrônica e ficará,em prazo inicial, em prisão domiciliar durante 180 dias.

Ainda segundo a Justiça, quando prisão domiciliar atingir seu 150º dia seja o réu encaminhado à reavaliação médica por parte do IMOL, com posterior ciência às partes e nova conclusão em seguida. A Justiça também determinou um pagamento de aproximadamente R$ 1 milhão em fiança. 

“Quanto ao tema da prisão domiciliar, a defesa de Fahd Jamil sempre confiou na atuação técnica e justa do Garras, Gaeco, IMOL e do Judiciário, todos tendo atuado de maneira eficiente e isenta para garantir direito previsto em lei, o que é muito positivo. Agora nosso cliente cuidará da saúde, ao lado da família e dos amigos, pessoas que nunca lhe faltaram, sem prejuízo de continuar à disposição das autoridades em geral e de se defender regularmente nos processos existentes”. diz a defesa de Fahd Jamil, constituída pelos advogados Gustavo Badaró e André Borges.

Ainda de acordo com informações, além dos problemas de saúde elencadas pela defesa no pedido de prisão domiciliar também foi relatado as ameaças recebidas contra Fahd e sua família por membros da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Transcrições de conversas em grupos onde o PCC ameaçava de morte Fahd foram anexadas ao processo.

Carta

Em carta, Fahd Jamil diz que sofre perseguição de criminosos. Segundo a polícia, as ameaças seriam por parte do PCC (Primeiro Comando da Capital). Assim, por questão de segurança até mesmo dos policiais, o exame de corpo de delito normalmente feito no Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) foram realizados no Garras.

Foragido

Fahd já havia sido preso pela Polícia Federal em meados dos anos 80. Depois, foi condenado já Justiça Federal por tráfico de drogas, mas a prisão foi revogada e a sentença anulada. Em 2020, ele foi denunciado no âmbito da Omertà por vários crimes e ficou foragido, até que entrou em contato com o advogado e decidiu se entregar nesta segunda-feira, no Aeroporto Santa Maria.

Jornal Midiamax