Polícia

Com prédio interditado, funcionários se arriscam para retirar entulhos de tapeçaria

No incêndio, Lucas Correa morreu carbonizado

Thatiana Melo e Danielle Errobidarte Publicado em 25/11/2021, às 07h17

None
(Henrique Arakaki, Midiamax)

Mesmo com o prédio interditado pelo Corpo de Bombeiros após o incêndio que destruiu a tapeçaria, na região central de Campo Grande, funcionários se arriscam entrando no local para retirar o restante do entulho que sobrou. No incêndio, Lucas Correa, de 21 anos, morreu carbonizado. 

Um dos funcionários disse ao Jornal Midiamax que os restos de entulhos retirados de dentro da tapeçaria serão colocados na calçada para que quem quiser possa levar. Ainda há restos de materiais no meio da rua, o que atrapalha o trânsito no local. 

Segundo o funcionário, uma retroescavadeira será usada a partir da tarde para a retirada de materiais da tapeçaria. Segundo o Corpo de Bombeiros, o proprietário da tapeçaria já teria sido informado sobre a interdição do prédio, e que o dono irá responder a qualquer ato de descumprimento.

“O local está interditado, não é para ter fluxo de nada até que um dia se regularize novamente”, disse o major dos bombeiros. Populares, ainda nesta quinta-feira (25), procuram entre os escombros materiais para serem levados.

Na tarde de quarta-feira (24), quase 24 horas após o início do incêndio, focos retomaram no entulho que era retirado do local. Desde o início da manhã, quando já era feito trabalho de limpeza do local, funcionários perceberam que havia fumaça nos materiais deixados na calçada e parte da rua.

Os produtos são altamente inflamáveis e como não foram totalmente queimados, ainda acabam tendo novos focos de incêndio. Assim que perceberam novas chamas, os funcionários acionaram o Corpo de Bombeiros e equipe de combate a incêndio foi ao local para fazer o rescaldo, utilizando água.

Certificado de vistoria

De acordo com os bombeiros, a tapeçaria não tinha certificado de vistoria, por isso foi notificada e multada. O estabelecimento comercial tinha apenas uma porta para entrada e saída, o que impossibilitou a saída de Lucas, que correu para dentro da loja após o princípio do incêndio.

Foram utilizados mais de 60 mil litros de água, em mais de 6 horas de combate ao incêndio pelos bombeiros. O prejuízo estimado da tapeçaria é de cerca de R$ 2 milhões e a multa aplicada é de 200 Uferms, o que equivale a R$ 8.512.

O incêndio

O fogo na tapeçaria teve início por volta das 16h10 dessa terça (23), próximo à antiga rodoviária. Informações da comunicação do Corpo de Bombeiros indicam que uma brincadeira com tinta spray e um isqueiro deu início ao fogo. Lucas teria sido atingido pelo fogo e logo depois entrou para o interior do prédio com o corpo em chamas. Depois disto, ele não foi mais visto.

Amigos relataram que ele foi até um mezanino no andar superior, onde o corpo do jovem foi encontrado. Por causa deste incêndio de grandes proporções, muitos bombeiros que estavam de folga também foram ao local para ajudar.

Jornal Midiamax