Polícia

Brasileiros que deram apoio logístico ao PCC em execução são condenados na fronteira

Segundo investigações da Polícia do Paraguai e que contaram com o apoio da polícia Federal do Brasil, os brasileiros escondiam um arsenal em uma residência

Marcos Morandi Publicado em 11/06/2021, às 12h02

Arsenal usado pelo PCC na fronteira foi encontrado com brasileiros
Arsenal usado pelo PCC na fronteira foi encontrado com brasileiros - Última Hora/arquivo

A Justiça do Paraguai condenou nesta quinta-feira (10) os brasileiros Marcelo Ferrucci, Kevin de Oliveira Mateus Ferreira Feitosa e Nelson Simões Gonçalves Junior por envolvimento com o PCC (Primeiro Comando da Capital). Eles foram presos durante operação realizada em 10 de novembro de 2017, na cidade de Pedro Juan Caballero.

Marcelo e Kevin receberam as penas de 15 anos de reclusão, enquanto que Mateus e Nelson foram condenados a 13 anos. O Tribunal do Júri foi presidido pelo Juiz Wilfrido Peralta e como membros os desembargadores Sandra Farías e Carlos Hermosilla. O Ministério Público foi representado pela procuradora María Irene Álvarez.

Segundo informações do Última Hora, foi comprovado em julgamento que dois dos fuzis encontrados na casa de Ferrucci e De Oliveira e uma pistola encontrada na casa de Ferreira Feitosa e Gonçalves Junior foram utilizados no mês de setembro de 2017, no assassinato de Lauro Duarte.

Segundo os juízes paraguaios, os fatos surgiram a partir de informações de inteligência prestadas pela Polícia Federal brasileira, por meio do Comando Tripartite, que culminaram nas buscas realizadas em 10 de novembro de 2017, na cidade de Pedro Juan Caballero.

Na ocasião, Marcelo Ferrucci e Kevin De Oliveira foram localizados em uma residência do lado paraguaio. Com eles foram encontradas 12 armas tipo pistola adulteradas, além de fuzis M4, AK47, munições .50, 5,56, 7,62, coletes à prova de balas, acessórios de tiro seletor. 

Durante a operação desencadeada pela Polícia do Paraguai, também foram apreendidos 42 quilos de maconha em dois sacos de estopa, telefones celulares, duas motocicletas e uma picape Toyota RAV 4.

Jornal Midiamax