Polícia

Brasileira mantida em cárcere na Bolívia é entregue à PF em MS

A jovem pernambucana de 19 anos que foi sequestrada e mantida em cárcere privado na cidade de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, após ser enganada com uma oferta de emprego em Corumbá, a 444 quilômetros de Campo Grande, foi entregue as autoridades sul-mato-grossenses nesta quinta-feira (28). De acordo com as informações, a jovem […]

Dayene Paz Publicado em 28/01/2021, às 12h39 - Atualizado às 12h43

Jovem foi iludida com oferta de emprego e mantida em cárcere. Imagem: Diário Corumbaense
Jovem foi iludida com oferta de emprego e mantida em cárcere. Imagem: Diário Corumbaense - Jovem foi iludida com oferta de emprego e mantida em cárcere. Imagem: Diário Corumbaense

A jovem pernambucana de 19 anos que foi sequestrada e mantida em cárcere privado na cidade de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, após ser enganada com uma oferta de emprego em Corumbá, a 444 quilômetros de Campo Grande, foi entregue as autoridades sul-mato-grossenses nesta quinta-feira (28).

De acordo com as informações, a jovem foi entregue pelas autoridades bolivianas à Polícia Federal, por volta das 06h30, no limite da fronteira entre Corumbá e o país vizinho. O site Diário Corumbaense publicou que em seguida a mulher foi levada para o Cram (Centro de Referência a Mulher em Situação de Violência), onde está recebendo a atenção necessária.

“Ela será levada por nossa equipe até a Capital e entregue à PF, que cuidará do embarque dela em voo para Recife, cidade onde mora”, explicou a secretária-adjunta de Assistência Social em Corumbá, Mabel Sahib.

A jovem contou que foi enganada com proposta de emprego em Corumbá e, ao chegar na cidade sul-mato-grossense, foi levada contra sua vontade para Santa Cruz de La Sierra, onde foi mantida presa em um residencial. No dia 18 de janeiro conseguiu escapar. Então, pediu ajuda a um funcionário da pensão e entrou em contato também com familiares que residem em Recife (PE), que, por sua vez, acionaram a Representação Regional da Interpol em Pernambuco.

De posse da denúncia de cárcere, a Polícia Nacional da Bolívia conseguiu identificar o local onde ela estava sendo mantida, um residencial que fica distante pouco mais de 600 quilômetros da fronteira, e a resgatou. Os autores do crime ainda não foram identificados e a polícia boliviana investiga o caso.

Jornal Midiamax