Polícia

Após atentado, sindicato alerta para risco à segurança e sugere delegacia 'longe da fronteira' em MS

Unidade seria instalada em outro prédio do junto ao Batalhão da PM

Renan Nucci Publicado em 27/04/2021, às 15h59

Delegacia de Polícia Civil em Coronel Sapucaia
Delegacia de Polícia Civil em Coronel Sapucaia - Divulgação

Alvo de mais um atentado durante a madrugada de segunda-feira (26), a Delegacia de Polícia Civil de Coronel Sapucaia, município localizado na fronteira com o Paraguai, a 380 quilômetros de Campo Grande, está exposta. O prédio situado na Avenida Internacional, na linha que divide os dois países, fica a poucos metros da cidade paraguaia de Capitan Bado.

De acordo com o Sinpol-MS (Sindicato dos Policiais Civis de Mato Grosso do Sul), a posição é desfavorável e coloca em risco a segurança de policiais, servidores, custodiados e de cidadãos que procuram atendimento. Por este motivo, Giancarlo Correia Miranda, diretor do sindicato, sugeriu à Delegacia-Geral uma mudança de endereço com urgência.

Para o sindicalista, existem duas possibilidades. A primeira delas, é que a delegacia seja instalada em outro prédio, afastado da linha internacional e com melhor infraestrutura e aparelhamento. Ou então, que seja constituída como vizinha do Batalhão da Polícia Militar, que fica na Avenida Internacional. “Neste caso, uma equipe iria proteger a outra”, disse.

Giancarlo afirma que o principal objetivo é garantir que os policiais possam exercer sua função com mais tranquilidade, tendo em vista que a unidade já havia sido alvo de outros dois atentados, o último deles em 2019. “É preciso uma nova estratégia diante da vulnerabilidade em que se encontra a delegacia atualmente. É perigoso”, pontua Giancarlo.

Ele afirmou que o delegado-geral da Polícia Civil, Adriano Garcia Geraldo, já foi consultado e se mostrou favorável à mudança de endereço. “Cabe agora o Estado, por meio da Sejusp [Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública] definir como vai ser”. O Sinpol-MS lembra ainda que é preciso investir também no aumento do efetivo e incentivar os policiais.

“Na Polícia Federal de Dourados, por exemplo, que nem fica na linha de fronteira direta, ous policiais recebem do Governo Federal um adicional de fronteira no salário, incentivo que serve para que eles permaneçam trabalhando nessa região”. A delegacia está sujeita a novos ataques, tentativa de resgates de presos e até mesmo roubo de drogas apreendidas.

Atentado

Conforme noticiado, na madrugada de segunda-feira, a delegacia foi alvejada por tiros de pistola 9 milímetros. A Polícia Militar foi chamada para fazer uma varredura nas imediações. O ataque aconteceu por volta da 1 hora. Quatro perfurações foram encontradas nas paredes da delegacia, sendo que a porta e janela foram danificadas pelos disparos.

Jornal Midiamax