Polícia

Apontado por espancar mulher até a morte, marido já tinha esfaqueado a mulher em 2017

O homem acusado de espancar a esposa, Leonilda Freitas de 43 anos, que acabou morrendo na manhã desta quarta-feira (17) no bairro Los Angeles em Campo Grande tem várias passagens pela polícia que vão desde furto até lesão corporal dolosa. Ele já teria sido preso por três vezes por violência doméstica ficando menos de 1 […]

Thatiana Melo Publicado em 17/03/2021, às 10h35 - Atualizado às 12h42

None

O homem acusado de espancar a esposa, Leonilda Freitas de 43 anos, que acabou morrendo na manhã desta quarta-feira (17) no bairro Los Angeles em Campo Grande tem várias passagens pela polícia que vão desde furto até lesão corporal dolosa. Ele já teria sido preso por três vezes por violência doméstica ficando menos de 1 mês detido durante as prisões.

Em 2017, o homem esfaqueou a esposa nas costas em uma briga do casal. A polícia foi chamada para o local e na época Leonilda foi socorrida até a Santa Casa de Campo Grande. As passagens do autor começam em 2007 por ameaça e perduram ao longo dos anos por lesão corporal dolosa, violência doméstica, furto. A última vez em que foi preso aconteceu em 2017, após a facada na esposa, mas acabou saindo no dia seguinte.

Leonilda morreu na manhã desta quarta (17), no meio da rua após ser espancada com vassouradas pelo homem, que fugiu em seguida e ainda não foi encontrado. O espancamento aconteceu por volta das 5 horas da manhã desta quarta (17), quando o homem voltou para casa depois de ter saído no último domingo (14), após ter agredido Leonilda em uma festa de aniversário que acontecia na residência do casal.

Quando voltou nesta quarta (17), o homem agrediu a mulher com vassouradas e ela saiu de casa e em seguida caiu morta em próximo a um ponto de ônibus na rua Dom Fernandes Sardinha. O Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) chegou a ser acionado, mas ela morreu no local. No corpo da vítima havia vários hematomas das várias agressões que sofria.

A irmã de Leonilda disse ao Jornal Midiamax que vários boletins de ocorrência já haviam sido registrados contra o homem, e que Leonilda tinha medidas protetivas contra ele, mas sempre voltava com ele. Ela ainda contou que em outra ocasião, o homem tentou jogá-la em um buraco no quintal de casa e atear fogo na esposa.

Outros vizinhos que não quiseram se identificar contaram que ela às vezes dormia na casa de outros moradores fugindo de ser agredida pelo marido, e que sempre falavam para ela se separar dele, mas Leonilda sempre voltava. Ela ainda tinha parte da orelha decepada e uma marca de facada na testa, que foram feitas pelo marido com quem tinha uma filha de 15 anos. Não há informações se o homem foi preso.

De acordo com a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), laudos sobre a causa da morte são esperados, já que a princípio foi dito que Leonilda havia sofrido um mal súbito. Se os exames indicarem que a vítima morreu em decorrência das agressões desta manhã de quarta (17), o caso será investigado pela Deam e tratado como feminicidio.

Jornal Midiamax