Polícia

Antes de ser assassinado a tiros no Tijuca, mãe pediu para jovem ficar em casa

Com medo que algo acontecesse com o filho, Henrique Lourenço da Silva de 22 anos, a mãe dele Eliane Lourenzo Oliveira de 42 anos, havia pedido que o jovem não saísse de casa, na noite desta quarta-feira (20) no Jardim Tijuca, mas o rapaz acabou saindo e foi assassinado a tiros. Ele chegou a ser […]

Thatiana Melo Publicado em 21/01/2021, às 11h02

(Henrique Arakaki, Midiamax)
(Henrique Arakaki, Midiamax) - (Henrique Arakaki, Midiamax)

Com medo que algo acontecesse com o filho, Henrique Lourenço da Silva de 22 anos, a mãe dele Eliane Lourenzo Oliveira de 42 anos, havia pedido que o jovem não saísse de casa, na noite desta quarta-feira (20) no Jardim Tijuca, mas o rapaz acabou saindo e foi assassinado a tiros. Ele chegou a ser socorrido, mas não resistiu e morreu no posto de saúde.

A catadora de recicláveis muito abalada com a morte do filho disse ao Jornal Midiamax que momentos antes do crime pediu para que Henrique ficasse em casa, mas ele teria respondido que ia até a esquina para fumar um baseado. A vítima era usuária de drogas.

Minutos depois a mulher foi avisada que o filho tinha sido assassinado com pelo menos seis tiros. A esposa de Henrique, que está grávida do terceiro filho do casal, que já tem duas crianças de 1 e 2 anos, contou que havia descido até a esquina com o marido, mas como estava tarde resolveu voltar para casa.

Nesta quinta-feira (21) seria o primeiro ultrassom que o casal faria para saber sobre o bebê que esperavam. “Quando já estava na esquina, ouvi uma moto se aproximando com apenas uma pessoa, em seguida deu os tiros”. A jovem de 18 anos estava na companhia dos filhos menores que viram o pai ser assassinado.

Ela disse que no dia do crime logo pela manhã, o dono do terreno onde os usuários ficavam para usar drogas havia ameaçado Henrique para ele sair do local, “Você tá achando que está certo padrinho? Vou voltar pra te pegar”, teria dito o homem que estava em uma Hilux.

O crime

O crime aconteceu por volta das 20h20 da noite desta quarta (20), na rua Clovis Teodoro Assunção, quando segundo a esposa de Henrique, eles estavam em casa e uma pessoa teria chegado em uma motocicleta e chamado pela vítima, que saiu para ver quem era. Mas, quando Henrique se virou de costas o atirador fez vários disparos.

Henrique foi atingido por tiros nas costas, cabeça e nuca. A esposa da vítima chamou pelo irmão para ajudar a socorrer o rapaz, que foi levado para o posto de saúde do Coophavila, mas Henrique não resistiu e morreu. Não se sabe a quantidade de tiros que atingiram a vítima.

Jornal Midiamax