Polícia

Advogado que levou calça com drogas para detenta é proibido de entrar em presídios de MS

Ganhou a liberdade provisória em audiência de custódia

Thatiana Melo Publicado em 18/11/2021, às 10h02

None
Droga foi apreendida no cós da calça - (Divulgação, Agepen)

Ganhou a liberdade, nesta quinta-feira (18), o advogado preso por ser flagrado levando drogas sintéticas escondidas em uma calça jeans para uma detenta, no Presídio Irmã Irma Zorzi. O flagrante aconteceu nessa quarta-feira (17).

Na audiência de custódia foi determinado que o advogado está proibido de ter acesso a qualquer presídio do Estado e de manter contato ou se aproximar das partes envolvidas. Com ele, foram encontrados 633 papelotes de K4 no cós de uma calça jeans. A droga sintética é composta por ingredientes feitos em laboratório, que provocam efeitos parecidos com o da maconha, mas em maiores proporções. 

Ele contou quando preso que, no dia 16 deste mês, recebeu uma ligação às 15 horas de alguém que disse ser prima da detenta que perguntou a ele se poderia levar alguns objetos para a interna. Ele questionou o que seriam os objetos, e a mulher disse que eram roupas e produtos de higiene pessoal.

O advogado, então, falou que cobraria R$ 150 pelo serviço. Ele encontrou com a mulher na rua Spipe Calarge, em frente a uma farmácia, e a mulher, que estava na garupa de uma moto conduzida por um homem, entregou os objetos para ele.

Ele questionou se havia algo de ilícito, mas a mulher disse que não. O advogado ainda disse que conferiu e não viu nada de anormal. O advogado afirmou que fugiu quando foi flagrado com a droga por ter entrado em desespero, já que não sabia o que tinha escondido na calça.

Droga sintética na calça

Por volta das 10h15 dessa quarta (17), durante revista nos pertences levados pelo advogado, os agentes penitenciários encontraram 633 papelotes de K4 no cós de uma calça jeans. A droga sintética é composta por ingredientes feitos em laboratório, que provocam efeitos parecidos com o da maconha, mas em maiores proporções. O material seria entregue a uma interna.  

Segundo informações da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário), ao constatar que a droga havia sido descoberta, o advogado tentou fugir do local, mas acabou detido com apoio do Grupamento de Escolta Penitenciária. Há informação de que ele chegou a agredir os agentes na tentativa de fuga e foi contido.

Jornal Midiamax