Polícia

Acusado de matar jovem e deixar outro ferido no Aero Rancho diz que agiu em legítima defesa

Ele teria usado a arma de um dos autores para fazer os disparos

Renata Portela Publicado em 30/12/2021, às 08h25

Marcas de tiro ficaram em muro de residência
Marcas de tiro ficaram em muro de residência - (Foto: Marcos Ermínio, Midiamax)

Na quarta-feira (29), o homem apontado como autor do homicídio de Douglas Felipe Prudêncio Rolon, de 19 anos, que também deixou outro homem de 31 anos ferido, se apresentou à Polícia Civil. O suposto atentado aconteceu no início da tarde de domingo (26), no Aero Rancho.

O acusado se apresentou na 5ª Delegacia de Polícia Civil, acompanhado do advogado Amilton Ferreira, e prestou esclarecimentos sobre o caso. Ele alegou que estava falando ao celular, na rua, quando foi surpreendido pelos quatro ocupantes do Corsa. Um dos homens teria feito um disparo com arma de fogo, que falhou.

Neste momento, ainda conforme relato do acusado, ele conseguiu desarmar um dos ocupantes do carro que portava uma pistola. Já com a arma em mãos, ele foi ferido por um tiro no ombro, próximo ao peito, quando revidou com vários disparos. Os tiros atingiram Douglas e o outro homem, que seria um familiar dele.

Advogado Amilton Ferreira

Douglas não resistiu aos ferimentos e morreu na Santa Casa de Campo Grande no mesmo dia. Já a outra vítima teria sido atingida por um tiro nas costas e alegou que tentou fugir correndo quando foi atingida. Um dos ocupantes do Corsa ainda dirigiu até o posto de saúde onde as vítimas deram entrada.

Segundo o advogado Amilton, o autor ficou com o projétil alojado e aguarda para fazer cirurgia de retirada. Ele alegou que não sabe a motivação do crime e que não acredita ser pela rixa que tinha com o homem de 31 anos, já que isso foi um desentendimento entre os dois que aconteceu há aproximadamente 6 anos.

Foi feita requisição para exame de corpo de delito pela polícia e o autor foi indiciado pelo homicídio e três tentativas de homicídio. Até o momento ele responde em liberdade.

Relembre o caso

A informação dada por testemunha que estava no carro com as vítimas era de que eles pararam no cruzamento das ruas Ribeirão das Neves e Moçambique quando foram surpreendidos pelo atirador. A testemunha relatou aos policiais que estava em um Corsa com os parentes e a família seguia para um almoço.

Em determinado momento, as foram surpreendidos pelo atirador, que estava em uma motocicleta Honda Fan azul. O suspeito desceu da moto atirando várias vezes e o motorista do carro, de 31 anos, ainda tentou fugir correndo, mas foi atingido nas costas. Já Douglas foi ferido com tiros na cabeça e pescoço.

O suspeito fugiu do local, mas foi identificado. Equipe do GOI (Grupo de Operações e Investigações) esteve no local do atentado e coletou sete cápsulas deflagradas calibre .380, quatro de calibre .9mm, dois núcleos bastante deformados e uma munição intacta calibre .9mm.

O homem de 31 anos, relatou a polícia que seria o alvo do atirador, conhecido como Cuiabano, com quem tinha um desentendimento.

Jornal Midiamax