Polícia

Vítima denuncia prejuízo de R$ 219 mil em venda de carro por garagem investigada

Na manhã desta quinta-feira (16), mais uma pessoa procurou a polícia para denunciar possível golpe por parte da garagem de carros de luxo PMotors, que fechou as portas repentinamente no início do mês. Até o momento já foram registrados 45 boletins de ocorrência pelo caso, mas o proprietário da garagem chegou a falar em 52 […]

Renata Portela Publicado em 16/04/2020, às 11h58

Garagem fechou as portas no bairro Chácara Cachoeira. Foto: Divulgação
Garagem fechou as portas no bairro Chácara Cachoeira. Foto: Divulgação - Garagem fechou as portas no bairro Chácara Cachoeira. Foto: Divulgação

Na manhã desta quinta-feira (16), mais uma pessoa procurou a polícia para denunciar possível golpe por parte da garagem de carros de luxo PMotors, que fechou as portas repentinamente no início do mês. Até o momento já foram registrados 45 boletins de ocorrência pelo caso, mas o proprietário da garagem chegou a falar em 52 vendas e negociações.

Conforme relato do dono do veículo, ele deixou a Mercedes-Benz GLA45 AMG para venda na garagem, com o proprietário. No contrato da venda, assinado em novembro de 2019, já teria o nome do comprador e o valor, R$ 219.900,00, sendo que ele recebeu dois cheques de R$ 87,5 mil como forma de garantia.

O pagamento integral, no entanto, seria feito por meio de carta de crédito. A vítima procurou a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro após descobrir que tinha sido vítima de golpe e afirma que ainda não recebeu nenhum valor, mas não teria descontado os cheques. O caso é tratado como apropriação indébita.

A delegada responsável pelas investigações do caso, Aline Sinotti da Defurv (Delegacia Especializada de Furtos e Roubos de Veículos) afirmou ao Midiamax que até o momento haviam sido registrados 44 boletins de ocorrência, agora 45. Mesmo assim, são 7 a menos do que a quantidade de vendas relatadas pelo proprietário da garagem, 52 no total.

Também foi esclarecido pela delegada que assim são 104 vítimas, contabilizando tanto as que venderam quando as que compraram os veículos. O caso é tratado como estelionato e apropriação indébita, mas também é investigada possível associação criminosa pelo envolvimento de outras pessoas e há aumento de pena em casos de estelionato contra idosos.

A polícia continua ouvindo as vítimas e pede que os que se sentiram lesados pelo proprietário da garagem procurem a delegacia.

Jornal Midiamax