Polícia

VÍDEO: Presos do PCC construíram túnel em uma semana e fugiram em 3 horas

Autoridades paraguaias apresentaram nesta sexta-feira (21) imagens das câmeras de segurança da Penitenciária Regional de Pedro Juan Caballero, na fronteira com o município sul-mato-grossense de Ponta Porã, que registraram o movimentação da fuga de 75 presos, a maioria deles do PCC (Primeiro Comando da Capital), ocorrido no último dia 19 de janeiro. Segundo o jornal […]

Renan Nucci Publicado em 21/02/2020, às 15h03 - Atualizado em 22/02/2020, às 11h47

Imagem das câmeras de segurança do interior do presídio. Foto: Reprodução
Imagem das câmeras de segurança do interior do presídio. Foto: Reprodução - Imagem das câmeras de segurança do interior do presídio. Foto: Reprodução

Autoridades paraguaias apresentaram nesta sexta-feira (21) imagens das câmeras de segurança da Penitenciária Regional de Pedro Juan Caballero, na fronteira com o município sul-mato-grossense de Ponta Porã, que registraram o movimentação da fuga de 75 presos, a maioria deles do PCC (Primeiro Comando da Capital), ocorrido no último dia 19 de janeiro.

Segundo o jornal ABC Color, o Ministério Público do Paraguai assegurou que o bando construiu túnel da fuga em sete dias e levou aproximadamente três horas para escapar. Até o momento, apenas 13 foram recapturados e não é descartado que alguns dos foragidos estejam ligados à execução do jornalista brasileiro Léo Veras, ocorrida na semana passada.

Sandra Quiñonez, fiscal-geral do Estado de Amambay, cujo a capital é Pedro Juan Caballero, afirmou que polícia demorou mais de um mês para conceder coletiva de imprensa sobre o caso porque queria fazer tudo com responsabilidade. Ao menos 32 pessoas, entre policiais, guardas e agentes penitenciários foram presos desde então.

A suspeita é de que eles tenham participado facilitando a fuga. Conforme já noticiado, não há imagens da parte externa que mostram a fuga, pois algumas das câmeras não estavam funcionando. As autoridades apuram quais os verdadeiros motivos dos problemas nos dispositivos e eventual negligência na manutenção. As investigações continuam.

Jornal Midiamax