Polícia

VÍDEO: Cliente furta celular em caixa de conveniência de frios no Centro

Cozinheira, de 33 anos que prefere não se identificar, teve o celular furtado durante compras em uma conveniência de frios da Capital na última terça-feira (22). Câmeras de segurança do estabelecimento flagraram o momento em que outra mulher, que era a próxima na fila do caixa, coloca o aparelho dentro da bolsa. Por volta das […]

Danielle Errobidarte Publicado em 26/12/2020, às 09h38 - Atualizado em 27/12/2020, às 07h09

Mulher usava camisa branca e bolsa marrom. (Foto: Leitor Midiamax)
Mulher usava camisa branca e bolsa marrom. (Foto: Leitor Midiamax) - Mulher usava camisa branca e bolsa marrom. (Foto: Leitor Midiamax)

Cozinheira, de 33 anos que prefere não se identificar, teve o celular furtado durante compras em uma conveniência de frios da Capital na última terça-feira (22). Câmeras de segurança do estabelecimento flagraram o momento em que outra mulher, que era a próxima na fila do caixa, coloca o aparelho dentro da bolsa.

Por volta das 17h, a cozinheira tinha ido com o sobrinho no supermercado, onde comprariam as embalagens e produtos para finalizar encomendas para o Natal. No momento de passar as compras no caixa, ela se distraiu ao procurar moedas dentro da bolsa, e acabou esquecendo o aparelho.

“Eu percebi logo que cheguei no estacionamento e perguntei para o meu sobrinho. Ele disse “não, tia, a senhora desceu com o celular na mão”. Foi aí que voltei e questionei a moça que fica no caixa e ela disse que não tinha celular ali”, relata.

Em seguida, a mulher pediu a um funcionário do SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor) para verificar as imagens das câmeras de segurança. As gravações mostram o momento em que uma outra mulher, de camiseta branca e bolsa marrom, furta o celular da cozinheira.

“Ela estava atrás de mim, viu que eu saí, podia ter ido atrás. Ela colocou a carteira em cima do meu celular e levou. Eu olhei o rastreador e telefonei, chamou duas vezes e depois ela desligou. O último registro do GPS é na conveniência ainda”, afirma.

Usava celular para trabalho

Mãe de três crianças e com o marido desempregado, o celular era a única forma de fazer contato com os clientes durante a pandemia. A cozinheira faz entregas pelo Bairro Jardim Noroeste, e o aparelho é compartilhado com o marido, que é servente de pedreiro e trabalha fazendo bicos.

Por enquanto, a família sobrevive da venda de doces e bolos, e do valor recebido pelo auxílio emergencial. Ela lamenta que, por enquanto, não tem condições de comprar um novo celular, mas espera que a autora, ou quem a conhecer, volte para devolver o aparelho.

Nas redes sociais, ela pediu para a mãe e amigos compartilharem o vídeo das câmeras de segurança do estabelecimento, em grupos de compra e venda. “Se a pessoa ficar com vergonha, pode até deixar no SAC do mercado, eu deixei o contato da minha mãe com eles e prometeram me ligar caso alguém entregue. Só quero meu celular de volta”, diz.

Quem tiver informações sobre o aparelho pode entrar em contato com a mãe da vítima, no número (67) 9222-1474.

Jornal Midiamax