Polícia

VÍDEO: Testemunhas filmam confusão após PM matar rapaz na saída de tabacaria em Campo Grande

Um vídeo feito por testemunhas mostra momentos depois da confusão que terminou com um policial militar matando um rapaz de 35 anos a tiros. O caso ocorreu na saída de uma casa de eventos localizada na Vila Rica, em Campo Grande na madrugada deste sábado (31). A Polícia Civil disse que informações colhidas no local […]

Dayene Paz Publicado em 01/11/2020, às 15h03 - Atualizado em 02/11/2020, às 10h24

None

Um vídeo feito por testemunhas mostra momentos depois da confusão que terminou com um policial militar matando um rapaz de 35 anos a tiros. O caso ocorreu na saída de uma casa de eventos localizada na Vila Rica, em Campo Grande na madrugada deste sábado (31). A Polícia Civil disse que informações colhidas no local e com testemunhas corroboram com a versão do policial, de que agiu por legítima defesa. No entanto, o caso ainda segue em investigação.

Nas imagens que chegaram ao Jornal Midiamax, percebe-se a movimentação de viaturas e os envolvidos na confusão. “Foi tudo muito rápido e ficou todo mundo assustado. Ouvimos o tiro e depois só o corpo no chão”, contou uma testemunha.

A confusão terminou na morte de Everton Massanti Cardoso dos Santos, de 35 anos. Conforme boletim de ocorrência, o policial disse que estava de saída do local, por volta 00h30, quando percebeu um conhecido que é segurança e trabalha no estabelecimento se desentendendo com outras pessoas. O militar alega que tentou intervir para evitar que a situação se agravasse, mas não conseguiu e então teve início uma briga na Rua São Borja.

Nesse momento, conforme o registro da ocorrência, o PM e o segurança passaram a ser agredidos, quando então o homem se apresentou como policial e deu ordem de parada aos agressores, que não obedeceram. Ele então deu um tiro para o chão, na tentativa de intimidá-los, tendo em vista que já naquele momento havia cinco pessoas contra ele o segurança, relatou o PM na delegacia.

Everton teria dado uma rasteira no policial, fazendo com que o militar se desequilibrasse e caísse. O soldado alega que neste momento estava cercado e corria risco de perder o armamento, motivo pelo qual efetuou um disparo contra a vítima, que morreu no local.

De acordo com o delegado José Roberto de Oliveira Júnior, informações colhidas no local e com testemunhas corroboram com a versão do policial. “Foram ouvidas seis testemunhas e, diante das constatações do local e das oitivas, foram colhidas informações no sentido de que a vítima [Everton] estava investindo contra o policial que se afastou por aproximadamente 40 metros, correndo para trás, evidenciando legítima defesa”, pontuou.

Por este motivo, o PM responde em liberdade e teve a arma apreendida para perícia.

Jornal Midiamax