Polícia

Policiais de Dourados homenageiam colegas assassinados em Campo Grande

As mortes dos dois agentes de Campo Grande na tarde de ontem também mobilizou os policiais civis de Dourados. Na tarde desta quarta-feira (10) eles se reuniram em frente a Primeira Delegacia de Polícia para prestar homenagens Antônio Marcos Roque da Silva e Jorge Silva dos Santos,  ambos da Derf (Delegacia Especializada de Repressão a […]

Marcos Morandi Publicado em 10/06/2020, às 17h39 - Atualizado às 18h32

Homenagem reuniu policiais de seis delegacias. (Foto: Marcos Morandi).
Homenagem reuniu policiais de seis delegacias. (Foto: Marcos Morandi). - Homenagem reuniu policiais de seis delegacias. (Foto: Marcos Morandi).

As mortes dos dois agentes de Campo Grande na tarde de ontem também mobilizou os policiais civis de Dourados. Na tarde desta quarta-feira (10) eles se reuniram em frente a Primeira Delegacia de Polícia para prestar homenagens Antônio Marcos Roque da Silva e Jorge Silva dos Santos,  ambos da Derf (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos).

Segundo o delegado regional de Dourados, Lupércio Degerone, que fez um breve pronunciamento em nome dos profissionais que trabalham em seis delegacias da cidade, os colegas tinham uma folha de serviços prestados em defesa da sociedade. Em seguida foi feito um minuto de silencio e um ‘sirenaço’ de viaturas pela memória dos dois agentes.

“Temos dois delegados aqui que inclusive trabalharam com eles em outras unidade. São pessoas que estavam no cumprimento do dever e foram covardemente executadas”, disse Degerone.

“Esse é um momento muito triste para a segurança pública de MS. São duas perdas irreparáveis no nosso efetivo. Serve também como alerta para que a gente possa redobrar os cuidados durante as nossas ações”, ponderou o delegado regional em Dourados.

Policiais de Dourados homenageiam colegas assassinados em Campo Grande
Delegado regional também criticou a Lei de Abuso de Autoridade. (Foto: Marcos Morandi).

Ele também ressaltou, que além dos desafios diários que os agentes de segurança  enfrentam, há ainda alguns entraves que acabam colaborando para o acontecimento de situações como a que aconteceu na Capital. “Não posso aqui deixar de fazer referência a essa Lei de Abuso de Autoridade que além de atrapalhar o bom andamento das nossas ações, ainda representa risco de morte para os nossos policiais”, afirmou.

Jornal Midiamax