Polícia

Polícia investiga se lutador de jiu-jitsu teria dado socos em idosa em Campo Grande

A Polícia Civil investiga se um lutador de jiu-jitsu de 21 anos agrediu uma idosa de 60 anos na madrugada desta quinta-feira (03), na Vila Nossa Senhora das Graças, em Campo Grande. A confusão teria se iniciado por causa de uma briga de cachorros. O caso foi atendido pela Polícia Militar e registrado na Depac […]

Dayene Paz Publicado em 03/12/2020, às 10h52 - Atualizado às 14h56

Caso foi registrado e será apurado pelas autoridades. Imagem: Divulgação
Caso foi registrado e será apurado pelas autoridades. Imagem: Divulgação - Caso foi registrado e será apurado pelas autoridades. Imagem: Divulgação

A Polícia Civil investiga se um lutador de jiu-jitsu de 21 anos agrediu uma idosa de 60 anos na madrugada desta quinta-feira (03), na Vila Nossa Senhora das Graças, em Campo Grande. A confusão teria se iniciado por causa de uma briga de cachorros. O caso foi atendido pela Polícia Militar e registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendiment Comunitário) Centro.

De acordo com as informações do boletim de ocorrência, o lutador e a esposa, uma jovem de 26 anos, passeavam pela região com dois filhotes de dálmatas, quando houve uma briga ao aparecer um cachorro da raça pastor alemão, que pertencia a um casal de idosos. A versão do lutador é de que os idosos passaram a agredir ele e a esposa após a briga dos animais.

No entanto, a versão apresentada pela idosa e seu companheiro é de que estavam deitados, quando ouviram latidos do cachorro. Como o pastor alemão escapava de casa quando via o portão aberto, o idoso saiu para ver o que estava acontecendo. Já do lado de fora da casa, conta que passou a ser agredido pela jovem de 26 anos. Ele tentou se defender, mas o lutador também passou a agredi-lo, conforme o boletim de ocorrência.

A idosa, ao ouvir a confusão, saiu e tentou defender o companheiro, mas também foi agredida. Ela ficou bastante machucada. A Polícia Militar foi acionada e ao ouvir os fatos dos envolvidos, passou a ser xingada pela jovem de 16 anos. Ela afirmou que a polícia era uma bosta e que não se importava se fosse presa.

Todos os envolvidos foram encaminhados para a Depac Centro, onde o caso foi registrado como lesão corporal dolosa e desacato.

Jornal Midiamax