Polícia

Polícia de SP pede apoio ao Dracco para localizar assassino de ator

O Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado) ingressou nas investigações que tentam identificar o paradeiro de Paulo Cupertino Matias, assassino do ator Rafael Miguel, de 22 anos, e de seus pais, que está foragido desde o crime cometido no ano passado. O autor estava há pelo menos oito meses escondido em […]

Renan Nucci Publicado em 03/11/2020, às 18h34

Assassino de ator conseguiu documento falso. Foto: Divulgação
Assassino de ator conseguiu documento falso. Foto: Divulgação - Assassino de ator conseguiu documento falso. Foto: Divulgação

O Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado) ingressou nas investigações que tentam identificar o paradeiro de Paulo Cupertino Matias, assassino do ator Rafael Miguel, de 22 anos, e de seus pais, que está foragido desde o crime cometido no ano passado. O autor estava há pelo menos oito meses escondido em Mato Grosso do Sul.

Por este motivo, o Departamento de Homicídios de São Paulo, onde os fatos ocorreram, acionou a Polícia Civil de Mato Grosso do Sul. O Dracco dá apoio juntamente com a Delegacia de Polícia de Eldorado, que é coordenada pelo delegado Pablo Ricardo Campos dos Reis. Cupertino estava em Eldorado, trabalhando como caseiro de uma chácara.

No entanto, ao perceber o cerco policial, fugiu do local, sendo visto pela última vez na terça-feira da semana passada. Ele havia sido contratado por Alfonso Helfenstein, que é dono da chácara, piloto de avião e também é dado como foragido por envolvimento com o tráfico de drogas. Apesar da suspeita de que Cupertino tenha ido para o Paraguai, as forças de segurança não descartam que ele esteja em território sul-mato-grossense.

No dia 13 de junho de 2019, em São Paulo, Cupertino atirou 13 vezes no ator Rafael, de 22 anos, que namorava a sua filha, e nos pais dele, João Alcisio Miguel, de 52 anos, e Miriam Selma Miguel, 50. Todos estavam estava na casa da namorada de Rafael quando o crime ocorreu. Paulo não aceitava o relacionamento da filha, que à época tinha 18 anos.

Jornal Midiamax