Polícia

Negada ‘absolvição’ a militar acusado de provocar acidente que matou professora

A juíza Eucelia Moreira Cassal, da 3ª Vara Criminal de Campo Grande, negou pedido de improcedência da denúncia contra o  tenente da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, Alexander Nantes Stein, acusado de provocar o acidente que terminou com a morte da professora Suellen Vilela Brasil, ocorrido na noite do dia 30 de maio, […]

Renan Nucci Publicado em 11/11/2020, às 17h58

Carro da professora foi lançado contra uma árvore. Foto: Reprodução/Fala Povo
Carro da professora foi lançado contra uma árvore. Foto: Reprodução/Fala Povo - Carro da professora foi lançado contra uma árvore. Foto: Reprodução/Fala Povo

A juíza Eucelia Moreira Cassal, da 3ª Vara Criminal de Campo Grande, negou pedido de improcedência da denúncia contra o  tenente da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, Alexander Nantes Stein, acusado de provocar o acidente que terminou com a morte da professora Suellen Vilela Brasil, ocorrido na noite do dia 30 de maio, na Avenida Gury Marques. Caso deferisse o recurso, o réu poderia ser absolvido.

A defesa alegou que a denúncia foi imprecisa, ao não indicar a velocidade máxima atribuída à via em que os fatos ocorreram, dizendo apenas ser uma velocidade excessiva. Neste sentido, afirmava não haver como apurar se houve negligência por parte do réu. No entanto, a magistrada alegou que o militar foi denunciado por homicídio culposo, “aduzindo conduta imprudente, consistente em trafegar em alta velocidade e sob a influência de álcool”. A denúncia ainda, indicou a velocidade aproximada do réu e a velocidade permitida.

Assim, negou o pedido e agendou a audiência de instrução e julgamento para 28 de janeiro de 2021, às 15 horas. Laudo feito pelo Instituto de Criminalística da Capital aponta que Alexander estava entre 120 e 125 quilômetros por hora quando houve a colisão com o carro da vítima. 

A professora Suellen seguia em um Renault Clio pela Gury Marques, sentido Avenida Guaicurus, quando em frente a uma empresa de transportes, reduziu a velocidade, momento em que o veículo que dirigia, foi atingido na traseira pelo Gol conduzido pelo policial.

 Com o impacto, o automóvel de Suellen foi lançado à direita e atingiu uma árvore. Ela não resistiu e morreu no local. O Gol, por sua vez, saiu pela esquerda, atravessou o canteiro central e parou na outra faixa de rolamento. Alexander estava com sinais de embriaguez, admitiu ter ingerido bebidas alcoólicas, mas se recusou a fazer o teste do bafômetro.

Ele afirmou que estava saindo do Bairro Moreninhas e, logo adiante, se deparou com a vítima reduzindo a velocidade. Ele não conseguiu frear a tempo e bateu no Clio de Suellen. Diante dos fatos, foi preso e encaminhado à UPA (Unidade de Pronto Atendimento) das Moreninhas, pois reclamava de dores pelo corpo. Em seguida, foi preso em flagrante.

Jornal Midiamax