Polícia

Na delegacia, homem diz que esfaqueou irmão após ser agredido com cadeira

O homem de 39 anos acusado de matar o irmão Clodiney Calvis Arguilera, 34 anos, na madrugada deste domingo (26) se apresentou na delegacia de Polícia Civil em Terenos, a 26 quilômetros de Campo Grande, nesta segunda-feira (27). Ele afirmou que agiu para se defender, após ter sido agredido com uma cadeira. De acordo com o […]

Dayene Paz Publicado em 27/07/2020, às 18h45 - Atualizado em 28/07/2020, às 08h11

Irmão não resistiu. Imagem ilustrativa
Irmão não resistiu. Imagem ilustrativa - Irmão não resistiu. Imagem ilustrativa

O homem de 39 anos acusado de matar o irmão Clodiney Calvis Arguilera, 34 anos, na madrugada deste domingo (26) se apresentou na delegacia de Polícia Civil em Terenos, a 26 quilômetros de Campo Grande, nesta segunda-feira (27). Ele afirmou que agiu para se defender, após ter sido agredido com uma cadeira.

De acordo com o advogado Paulo Macena, Claudemir Calvis Arguilera está bastante abalado. “Ele chora a todo momento, não tinha intenção de matar”, disse. O acusado ainda chegou a ligar para a polícia após o crime. “Foram umas cinco ligações”, confirmou Macena.

Para o Jornal Midiamax, o advogado contou a versão de Claudemir sobre os fatos. Segundo Macena, a família estava reunida na noite de sábado, já que moram todos próximos. “Eles estavam brincando, bebendo, em família”, contou.

Em determinado momento, Clodiney resolveu ir embora com um amigo, quando, de acordo com a defesa, o irmão se despediu e também foi dormir. Cerca de 40 minutos, o irmão ouviu um barulho no quintal. “Estavam quebrando o carro dele e ele pensou que era um ladrão”, disse o advogado.

Como não tem arma de fogo, Claudemir pegou uma faca de cozinha. Em seguida, abriu a porta e acendeu a luz. “Foi quando o Clodiney começou agredi-lo com uma cadeira de madeira, avançou em cima dele, que no impulso, colocou a faca para frente no intuito de se defender”, revelou Macena.

A facada atingiu a região do tórax e Clodiney chegou a correr para frente da casa, mas caiu. O advogado afirma que o irmão chegou a ligar cerca de cinco vezes para a polícia. “Ligou desesperadamente para a polícia, para o socorro, chamou o vizinho”. Claudemir teria fugido porque, conforme a defesa, ficou bastante assustado.

O advogado revelou que Claudemir está bastante abalado. “Nem ele consegue entender porque o irmão invadiu a casa, quebrou o carro, está muito abalado”. O autor se entregou nesta segunda-feira, foi ouvido e liberado. O caso está sendo investigado pela Policia Civil.

Jornal Midiamax