Polícia

Mulher descobre que marido foi denunciado por assediar sexualmente a ex-enteada

Homem de 37 anos procurou a Polícia Civil na quarta-feira (3), afirmando que foi vítima de calúnia após a ex-enteada fazer uma postagem no Twitter com a hashtag Exposedcg. Ele foi citado como autor de assédio sexual contra a vítima. Segundo relato do homem, a atual mulher viu no Twitter uma postagem feita pela ex-enteada, […]

Renata Portela Publicado em 04/06/2020, às 07h02 - Atualizado às 09h04

Casos são expostos pelas vítimas no Twitter (Reprodução)
Casos são expostos pelas vítimas no Twitter (Reprodução) - Casos são expostos pelas vítimas no Twitter (Reprodução)

Homem de 37 anos procurou a Polícia Civil na quarta-feira (3), afirmando que foi vítima de calúnia após a ex-enteada fazer uma postagem no Twitter com a hashtag Exposedcg. Ele foi citado como autor de assédio sexual contra a vítima.

Segundo relato do homem, a atual mulher viu no Twitter uma postagem feita pela ex-enteada, afirmando que foi assediada sexualmente por ele. Após a publicação, ele ficou sabendo que havia comentários sobre ele em um grupo de WhatsApp, onde foram divulgados prints da postagem no Twitter.

O homem afirma que foi usado o apelido dele pela jovem, mas o nome não foi divulgado. A vítima teria enviado o relato para a usuária da rede que iniciou a hashtag anonimamente. O caso é tratado como calúnia e foi registrado o boletim de ocorrência.

Exposedcg

A hashtag ficou entre os assuntos mais comentados do Brasil na noite de segunda-feira, após várias mulheres, homens, adolescentes e adultos denunciarem casos de estupro e assédio que sofreram em Campo Grande. Os supostos autores dos crimes são amigos, familiares, colegas de trabalho ou de escola, professores, empresários, fotógrafos, entre vários outros.

O Midiamax ressalta a importância das vítimas procurarem a delegacia para denunciarem. Podem ser feitos registros em quaisquer delegacias e as vítimas, se preferirem, podem ir até a Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente) ou Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), ou mesmo pela Delegacia Virtual.

As vítimas podem denunciar os crimes até 20 anos após eles serem cometidos, sendo que no caso de crianças ou adolescentes os crimes prescrevem só 20 anos após a vítima completar 18 anos. Também pode ser feita denúncia pela Delegacia Virtual, caso a vítima não queira procurar pessoalmente uma unidade policial.

Jornal Midiamax