Polícia

Mulher arrecada doações para falso sobrinho e polícia descobre comércio de munições

Mulher de 43 anos foi presa em flagrante na tarde desta quarta-feira (9) após enganar moradores de Dourados, distante 229 quilômetros da Capital, dizendo precisar de doações para o sobrinho. Desconfiados, comerciantes denunciaram a golpista. Em sua casa, policiais descobriram que ela comercializava munições para diversos tipos de armas. Segundo informações do registro policial, ...

Danielle Errobidarte Publicado em 09/12/2020, às 18h42

Munições e carregadores foram encontrados na casa (Ilustrativa)
Munições e carregadores foram encontrados na casa (Ilustrativa) - Munições e carregadores foram encontrados na casa (Ilustrativa)

Mulher de 43 anos foi presa em flagrante na tarde desta quarta-feira (9) após enganar moradores de Dourados, distante 229 quilômetros da Capital, dizendo precisar de doações para o sobrinho. Desconfiados, comerciantes denunciaram a golpista. Em sua casa, policiais descobriram que ela comercializava munições para diversos tipos de armas.

Segundo informações do registro policial, comerciantes denunciaram a mulher, que pedia doações para um suposto tratamento de seu sobrinho. Às vítimas, ela dizia ser do distrito de Bocajá e precisar de auxílio para o sobrinho, que teria problemas de crescimento, realizar exames na Capital. Ao sair da loja, andou pela cidade e arrecadou mais dinheiro e doações, incluindo mochila, bolsas, pacote de fraldas, chinelo, bonés, mamadeiras, cuecas infantis, bijuterias, máscaras, ventilador e R$ 314,60 em espécie.

Funcionária da loja denunciou a mulher à polícia, que enviou uma equipe ao local. Lá, a mulher entrou em contradição e afirmou não ser de Bocajá, mas de Dourados. Também apresentou divergências no discurso ao afirmar que as doações não eram para seu sobrinho, e sim para neto de sua filha. Ao entrar em contato com a citada, ela afirmou que não possuía nenhum filho.

Finalmente, a golpista decidiu confessar o crime e confessou que tinha produzido o documento para fazer as arrecadações, enganar as pessoas e os produtos seriam para ele mesma. A mulher chegou a afirmar que os policiais poderiam vistoriar sua casa.

Chegando no local indicado, eles encontraram 48 munições calibre 9mm, uma pistola luger e dois carregadores Glock com 14 e 30 tiros. Questionada sobre as munições, ela afirmou que as comercializava. O caso foi registrado como posse irregular de arma de fogo de uso permitido.

Jornal Midiamax